Mundo

Seca na Califórnia pode estar ligada às mudanças climáticas

São Paulo - Novo conjunto de simulações e técnicas estatísticas feitas por cientistas do clima da Universidade de Stanford, divulgado recentemente nos Estados Unidos, revela que a persistente massa de alta pressão atmosférica, que se encontra sobre o Oceano Pacífico e que desviou tempestades para longe da Califórnia, tem muito mais probabilidade de se formar diante da presença de gases de efeito estufa.

O estudo, financiado pela National Science Foundation (NSF), confirma o que diversos pesquisadores têm afirmado: que as condições atmosféricas associadas com a seca histórica no estado americano podem ter ligação direta com o aquecimento global provocado pelo homem.

Segundo o relatório da NSF, a combinação de altas temperaturas com condições de ar estagnado e falta de precipitação desencadeou a situação alarmante na região.

Há três anos, o oeste dos Estados Unidos vem enfrentando a pior estiagem registrada nos últimos 100 anos.

A seca tem sido responsável por incêndios em florestas e parques, falta de água em muitas cidades e grandes perdas na agricultura.

Em uma das simulações realizadas pelos supercomputadores da universidade americana, foram comparados dois modelos climáticos: o primeiro deles reproduzia o clima atual, com alta concentração de CO2 aquecendo a atmosfera, e um segundo, em que a concentração de carbono era similar àquela da era pré-industrial.

O resultado foi que, nas condições de hoje, triplicam as chances de ocorrerem os “blocking ridge” sobre a costa nordeste do Pacífico.

Com o fenômeno, as tempestades de inverno não conseguem alcançar a Califórnia.

Um estudo publicado em abril deste ano, pelo Utah Climate Center, já tinha afirmado que são claras as evidências que ligam as grandes e intensas secas com a pegada de aquecimento antropogênico.

Traduzindo, de forma simples: não há mais dúvidas sobre a responsabilidade do ser humano no aquecimento global.

E se a emissão de gases de efeito estufa mantiver o ritmo atual, mais e mais pessoas terão suas vidas atingidas pelas mudanças radicais no clima do planeta.