Mundo

São Francisco proíbe fumar cigarro em apartamentos — mas maconha pode

Nova restrição busca evitar o fumo passivo e prevê multa de mil dólares; por ser permitida apenas dentro de casa, a maconha ficou de fora da proibição

Mesmo dentro de casa, cidadãos de São Francisco estão proibidos de fumar tabaco (AFP/AFP)

Mesmo dentro de casa, cidadãos de São Francisco estão proibidos de fumar tabaco (AFP/AFP)

FS

Fabiane Stefano

Publicado em 4 de dezembro de 2020 às 16h48.

Última atualização em 4 de dezembro de 2020 às 17h32.

Os fumantes de São Francisco devem começar o ano de 2021 lidando com uma nova restrição: o fumo de tabaco no interior de apartamentos será proibido na cidade. Aprovada por 10 votos a 1 no conselho de supervisores da cidade, a medida busca proteger os não fumantes do chamado fumo passivo, quando involuntariamente se inala a fumaça do cigarro de outra pessoa.

O fumo de maconha, entretanto, continua liberado. Isso porque ativistas cannábicos argumentaram que o interior de residências, sejam elas casas ou apartamentos, é o único local onde o uso recreativo da erva é permitido — isso desde 2018. O estado da Califórnia tem hoje o maior mercado legal de maconha do mundo.

Ao contrário dos fumantes de tabaco que ainda poderiam sair de seus apartamentos para ir até a calçada ou fumar em outras áreas permitidas ao ar livre, os usuários de cannabis não teriam essas alternativas legais.

Rafael Mandelman, ativista que sugeriu emenda a exclusão da maconha das novas regras

A regra vale para unidades em edifícios com três ou mais apartamentos, e inclui também as áreas comuns dos prédios, onde o fumo já é proibido. Para passar a valer, a proibição ainda deve ser aprovada em um segundo turno de votações no mesmo conselho e, em seguida, ser sancionada pela prefeita, London Breed. Trinta dias após todo esse trâmite, a regra entra em vigor. Quem não obedecer pode receber uma multa de 1.000 dólares (cerca de 5.000 reais).

Acompanhe tudo sobre:CigarrosLegislaçãoMaconha

Mais de Mundo

Republicanos pedem renúncia “imediata” de Biden como presidente

Obama defende “um candidato extraordinário” e evita declarar apoio a Kamala Harris

Democratas enfrentam dilema de apoiar Kamala Harris ou permitir convenção aberta

Se for oficializada pelos Democratas, Kamala Harris pode ser a primeira presidente mulher dos EUA

Mais na Exame