Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Rússia vai invadir a Ucrânia? Entenda por que o mundo está preocupado

A Rússia anexou a Crimeia da Ucrânia em 2014 e diz que as águas ao seu redor pertencem agora a Moscou, apesar da maioria dos países não reconhecer

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, alertou a Rússia que a aliança militar ocidental estava ao lado da Ucrânia em meio a uma grande e incomum concentração de tropas russas nas fronteiras da Ucrânia.

Enfatizando que o importante agora é evitar que as situações saiam do controle, Stoltenberg exortou a Rússia a ser transparente sobre as atividades militares, a reduzir as tensões e evitar uma escalada.

"Precisamos ter olhos abertos, precisamos ser realistas sobre os desafios que enfrentamos. E o que vemos é um aumento significativo e grande do exército russo", disse Stoltenberg em entrevista coletiva com o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, em Bruxelas.

  • Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

Ele disse que não queria especular sobre as intenções da Rússia, mas acrescentou: "Vemos uma concentração incomum de tropas e sabemos que a Rússia estava disposta a usar esse tipo de capacidade militar antes para conduzir ações agressivas contra a Ucrânia."

Os movimentos das tropas russas nos últimos dias geraram temores de um possível ataque. Moscou rejeitou essas sugestões como inflamatórias e reclamou do aumento da atividade na região por parte da aliança transatlântica da OTAN.

A Rússia anexou a Crimeia da Ucrânia em 2014 e diz que as águas ao seu redor pertencem agora a Moscou, apesar da maioria dos países continuar a reconhecer a península como ucraniana.

Os separatistas apoiados pela Rússia assumiram o controle da região de Donbass, no leste da Ucrânia, naquele mesmo ano, e soldados de ambos os lados continuam a ser mortos regularmente no conflito.

O aumento de tropas na fronteira - que a Ucrânia estimou na semana passada em 100 mil - é perigoso, disse Stoltenberg, porque reduziu o tempo de alerta, caso a Rússia decida "conduzir uma ação militar agressiva contra a Ucrânia".

"Isso é parte das forças perto da fronteira entre a Rússia e a Ucrânia, mas também parte das tropas e capacidades que estão dentro da Ucrânia, o que significa que estão na Crimeia, que está anexada ilegalmente, e também vemos os militantes, os separatistas em Donbass, que também faz parte da Ucrânia, apoiados pela Rússia ", afirmou.

Uma fonte da OTAN, solicitada a descrever como a Rússia está enviando seu equipamento militar para a Ucrânia, disse: "Grandes equipamentos como tanques, artilharia de autopropulsão e veículos de combate de infantaria são deslocados à noite para evitar que imagens reveladoras apareçam nas redes sociais e na mídia - da mesma forma que fizeram durante o aumento militar russo na primavera."

O Ocidente não pode excluir um ataque russo à Ucrânia enquanto a atenção internacional está voltada para a crise de migração de Belarus, ou que a Rússia estabeleça uma presença militar permanente nem Belarus, disse ele.

"Eu não excluiria isso como uma possibilidade", disse ele.

França dialoga

O presidente Emmanuel Macron afirmou que a França está disposta a defender a "integridade territorial" da Ucrânia.

Em uma conversa telefônica de cerca de duas horas, Macron expressou a "profunda preocupação" da França e sua disposição de "defender a integridade territorial da Ucrânia", segundo o gabinete do presidente francês.

Putin respondeu dizendo que as autoridades ucranianas "dificultaram" as negociações, afirmou o Palácio do Eliseu, acrescentando que essa linha de raciocínio era "frequentemente" usada pelo líder russo.

EUA e UE criticam

Os Estados Unidos e a União Europeia já expressaram sua crescente preocupação com os movimentos recentes de tropas russas na fronteira com a Ucrânia.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse na semana passada que seria um "grave erro da Rússia repetir o que fez em 2014" quando tomou a Crimeia de Kiev.

E nesta segunda-feira, o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha pediu a Moscou que exerça "moderação" na fronteira ucraniana e "retorne à mesa de negociações".

A Ucrânia tem enfrentado grupos separatistas apoiados pela Rússia desde que o país anexou a península da Crimeia em 2014.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também