Rússia se mobiliza para anexar quatro regiões ocupadas na Ucrânia

As partes controladas pela Rússia são as regiões de Donetsk, Luhansk, Kherson e Zaporizhzhia
Enquanto a Rússia atua para abrir caminho para uma mobilização mais ampla, o Kremlin cada vez mais se vê pressionado a dar uma resposta firme para conter a ofensiva de Kiev (ANATOLII STEPANOV/Getty Images)
Enquanto a Rússia atua para abrir caminho para uma mobilização mais ampla, o Kremlin cada vez mais se vê pressionado a dar uma resposta firme para conter a ofensiva de Kiev (ANATOLII STEPANOV/Getty Images)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 20/09/2022 às 16:36.

Última atualização em 20/09/2022 às 16:40.

Autoridades nas áreas ocupadas pela Rússia na Ucrânia anunciaram planos para anexar quatro regiões no leste e no sul ucranianos, enquanto a Rússia atua para abrir caminho para uma mobilização mais ampla, o Kremlin cada vez mais se vê pressionado a dar uma resposta firme para conter a ofensiva de Kiev.

As partes controladas pela Rússia das regiões de Donetsk, Luhansk, Kherson e Zaporizhzhia devem ter três dias de votação sobre se unir à Rússia a partir desta sexta-feira, no mais recente esforço de Moscou para consolidar território capturado meses atrás, mas agora em risco de ser retomado por forças ucranianas.

A Câmara Baixa do Parlamento russo aprovou também legislação que pode ajudar a lidar com a falta de soldados no campo de batalha, o que gera temores de que possa ser anunciada uma mobilização em larga escala nos próximos dias.

As medidas ocorrem após a Ucrânia lançar uma ofensiva para retomar terra no nordeste do país neste mês, impondo uma derrota a Moscou e libertando cerca de 10% do território capturado pela Rússia desde o início da invasão. O avanço impulsiona Kiev e deixa o presidente russo, Vladimir Putin, mais pressionado dentro e fora de seu país. Em vez de admitir que a guerra não vai bem em todas as frentes, porém, Putin prepara uma resposta firme, segundo analistas.

Veja também: 

Casa Branca: países do Atlântico vão aprimorar cooperação regional

Europa: depois da crise do gás natural, vem aí a crise do diesel? Entenda