Mundo

Rússia não vê razão para inquérito da ONU sobre ataque químico na Síria

País alegou ao Conselho de Segurança que julgamento já teria sido feito pelos Estados Unidos e seus países aliados

Conselho de Segurança: órgão se reuniu pela sexta vez nos últimos nove dias para discutir caso da Síria (Stan Honda/AFP)

Conselho de Segurança: órgão se reuniu pela sexta vez nos últimos nove dias para discutir caso da Síria (Stan Honda/AFP)

R

Reuters

Publicado em 17 de abril de 2018 às 22h18.

A Rússia disse ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas nesta terça-feira que não é preciso estabelecer um novo inquérito para determinar a culpa pelos ataques com armas químicas na Síria, porque os Estados Unidos e seus aliados já atuaram como juiz e executor.

O conselho de 15 membros se reuniu pela sexta vez nos últimos nove dias a respeito da Síria, num momento em que Rússia e potências ocidentais se confrontam devido a um suposto ataque com armas químicas em Douma que provocou ataques aéreos de Estados Unidos, França e Reino Unido.

A Rússia solicitou informações na terça-feira sobre a cidade de Raqqa, no norte da Síria, onde militantes do Estado Islâmico foram derrotados no ano passado por forças apoiadas pelos EUA, e o remoto campo de Rubkan para refugiados sírios perto da fronteira com a Jordânia e o Iraque.

"A Rússia nos chamou aqui como parte de uma campanha de mensagens para tentar desviar a atenção das atrocidades cometidas pelo regime (do presidente sírio, Bashar al-Assad)", disse a vice-embaixadora dos EUA na ONU, Kelley Currie, ao conselho.

"Para fazer isso, a Rússia pediu a este conselho que concentre sua atenção na parte da Síria onde o regime de Assad não está atacando civis com bombas de barril ou armas químicas proibidas", afirmou ela.

O Conselho de Segurança está em um impasse sobre como substituir uma investigação conjunta da ONU e da Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq), que o conselho criou em 2015 para estabelecer a responsabilidade por ataques com gases tóxicos.

Essa investigação terminou em novembro, depois que a Rússia bloqueou três tentativas do Conselho de Segurança de renovar seu mandato, afirmando que a investigação conjunta é falha. O inquérito descobriu que o governo sírio usava o agente nervoso sarin e várias vezes usou cloro como arma. Também culpou o Estado Islâmico pelo uso de gás mostarda.

Acompanhe tudo sobre:Armas químicasBashar al-AssadEstados Unidos (EUA)Guerra na SíriaRússiaSíria

Mais de Mundo

Programa espacial soviético colecionou pioneirismos e heróis e foi abalado por disputas internas

Há comida nos mercados, mas ninguém tem dinheiro para comprar, diz candidata barrada na Venezuela

Companhias aéreas retomam gradualmente os serviços após apagão cibernético

Radiografia de cachorro está entre indícios de esquema de fraude em pensões na Argentina

Mais na Exame