Rússia impõe sanções contra 29 americanos, incluindo Kamala e Zuckerberg

A iniciativa é uma resposta às "crescentes sanções anti-Rússia", segundo o comunicado
Rússia: O documento divulgado por Moscou diz ainda que, em um futuro próximo, um novo anúncio será feito para a inclusão de mais nomes (Bloomberg/Bloomberg)
Rússia: O documento divulgado por Moscou diz ainda que, em um futuro próximo, um novo anúncio será feito para a inclusão de mais nomes (Bloomberg/Bloomberg)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 21/04/2022 15:15 | Última atualização em 21/04/2022 15:15Tempo de Leitura: 1 min de leitura

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia publicou nesta quinta-feira uma lista de sanções contra 29 figuras norte-americanas. A medida impede a entrada no país por tempo indeterminado. Entre os nomes, aparecem o da vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, assim como do chefe de gabinete da Casa Branca, Ronald Klain, e do vice-secretário de Defesa, John Kirby.

A iniciativa é uma resposta às "crescentes sanções anti-Rússia", segundo o comunicado. "As sanções são direcionadas aos principais líderes, empresários, especialistas e jornalistas que formam a agenda russofóbica, bem como a esposa de vários funcionários de alto escalão", ainda de acordo com o documento.

LEIA TAMBÉM:

Mais de 1.000 corpos de civis em necrotérios de Kiev após retirada russa

Secretário-geral da ONU pede encontro com Putin e Zelenski

Como representantes da iniciativa privada, destaque para o CEO do Bank of America (BofA), Brian Thomas Moynihan, assim como o cofundador e chefe do conselho de administração da Meta (antigo Facebook), Mark Zuckerberg, e o CEO do Linkedin, Ryan Roslansky.

O documento divulgado por Moscou diz ainda que, em um futuro próximo, um novo anúncio será feito para a inclusão de mais nomes, com o objetivo de combater "as ações hostis das autoridades dos Estados Unidos".