Mundo

Rússia deve reduzir fornecimento de gás para Alemanha nesta quarta

Indústria alemã, dependente do gás russo, deverá ser especialmente afetada; país registrou uma inflação de quase 8% em maio, a maior em quase 50 anos, em meio à economia cambaleante

Mapa do fornecimento de gás russo à Europa: Moscou deve reduzir fornecimento do insumo à Alemanha (Stefan Sauer/picture alliance via/Getty Images)

Mapa do fornecimento de gás russo à Europa: Moscou deve reduzir fornecimento do insumo à Alemanha (Stefan Sauer/picture alliance via/Getty Images)

CA

Carla Aranha

Publicado em 1 de junho de 2022 às 06h00.

Última atualização em 1 de junho de 2022 às 09h15.

A Rússia anunciou que deve cortar o fornecimento de gás para a Shell Energy da Alemanha nesta quarta, dia 1º de junho. A companhia não aceitou pagar a Gazprom em rublos, como a Rússia vem demandando, e entrou na lista negra do Kremlin. Cerca de 1,2 bilhão de metros cúbicos de gás deixarão de ser enviados anualmente para a Shell na Alemanha. Perto dos 95 bilhões de metros cúbicos do insumo que o país consome por ano, pode não parecer muito. O problema é que boa parte do gás importado da Rússia abastece a indústria alemã, já combalida por causa dos efeitos econômicos da pandemia e dos altos custos de energia.

Em maio, a inflação na Alemanha ficou em 7,9%, o índice mais alto em quase 50 anos. Desde 1973, o país não vivia uma escalada de preços tão dramática. Economistas ouvidos pelo jornal americano The Wall Street Journal previam uma taxa menor, de 7,5% -- em abril, o índice ficou em 7,4%.

Um dos principais vilões da inflação em maio (e nos meses anteriores) foi o custo da energia, em ascensão desde o início da guerra na Ucrânia e das sanções à Rússia. Em maio, o aumento foi de 38,3% em comparação ao mesmo período do ano passado -- e esse cenário não deve melhorar tão cedo, segundo as autoridades alemãs. O Banco Central Europeu já declarou que, diante do quadro inflacionário na Alemanha, maior economia europeia, deverá tomar medidas em relação à taxa de juros.

Outros países europeus, como a Dinamarca, estão na corta-bamba do abastecimento e custos de energia. A Gazprom afirmou que deverá cortar o suprimento de gás à companhia Ørsted, da Dinamarca. As exportações para a holandesa GasTerra foram encerradas nesta terça, dia 31. Moscou já havia suspendido o fornecimento à Polônia, Bulgária e Finlândia. 

Ao mesmo tempo, a Rússia tem aumentado a exportação de petróleo e gás natural para a China, Índia e outros países da Ásia. No final de maio, mais de 64 milhões de barris de petróleo estavam sendo transportados em rota marítima da Rússia para a Ásia, diante de pouco mais de 25 milhões em fevereiro, segundo a consultoria Kpler.

Nesta segunda, dia 30, a União Europeia decidiu cortar 90% das importações de petróleo russo até o final do ano. Não está claro, no entanto, quais serão as alternativas para as importações russas. A OPEC deverá aumentar apenas modestamente a produção em julho -- o grupo dos maiores produtores de petróleo do mundo se reúne nesta quinta, dia 2, para bater o martelo sobre a questão.

Decisão histórica

Em meio a um cenário econômico atípico e mudanças na geopolítica mundial em decorrência da guerra da Ucrânia, a Dinamarca deve tomar uma decisão histórica nesta quarta. Os eleitores dinarmaqueses votam hoje, em um referendo, se o país deve manter a política de não participar da política de defesa da União Europeia.

Caso os dinamarqueses escolham mudar a postura de não-alinhamento aos programas de segurança europeus, a guinada rumo à militarização unificada do bloco deverá ganhar mais força. A Finlândia e a Suécia apresentaram um pedido para fazer parte da Otan em maio. A iniciativa permanece em discussão, já que a Turquia se opõe à medida.

As forças armadas da Dinamarca poderão participar de operações do bloco se o país mudar sua política a respeito dos programas militares da Europa. Apesar de integrar a Otan, a Dinamarca obteve uma licença especial, em 1992, para não tomar parte nas ações militares da União Europeia. Assim, o país não enviou efetivos para a Bósnia e a África, em que há presença de forças europeias.

LEIA MAIS:

 

 

 

 

Acompanhe tudo sobre:AlemanhaGásGuerrasRússiaUcrânia

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame