Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Rússia denuncia 'ataque terrorista' na fronteira por 'sabotadores' ucranianos

O presidente Vladimir Putin cancelou uma viagem prevista para o Cáucaso russo e está sendo informado constantemente sobre a situação, acrescentou o porta-voz

Modo escuro

O grupo ucraniano teria feito reféns, segundo as agências de notícias russas Ria Novosti, TASS e Interfax, que citaram testemunhas e fontes das forças de segurança (SERGEY BOBOK/AFP/Getty Images)

O grupo ucraniano teria feito reféns, segundo as agências de notícias russas Ria Novosti, TASS e Interfax, que citaram testemunhas e fontes das forças de segurança (SERGEY BOBOK/AFP/Getty Images)

Uma incursão na Rússia de combatentes ucranianos reportada pelas autoridades em uma região próxima da fronteira com a Ucrânia foi um "ataque terrorista", afirmou o Kremlin nesta quinta-feira, 2.

"Estamos falando de um ataque terrorista", declarou o porta-voz do governo russo, Dmitri Peskov.

O presidente Vladimir Putin cancelou uma viagem prevista para o Cáucaso russo e está sendo informado constantemente sobre a situação, acrescentou o porta-voz.

O chefe de Estado não pretende, contudo, convocar em caráter de urgência o Conselho de Segurança Nacional, órgão que deve se reunir na sexta-feira, 3, afirmou Peskov.

O Serviço Federal de Segurança (FSB) e as autoridades locais de Briansk anunciaram nesta quinta-feira operações para "eliminar" um grupo de "sabotadores" ucranianos infiltrado nesta região, que fica 400 quilômetros ao sudoeste de Moscou.

O governador da região, Alexander Bogomaz, disse que "um grupo de reconhecimento e de sabotagem entrou na localidade de Lyubechane pela Ucrânia".

"As Forças Armadas da Federação Russa estão tomando todas as medidas necessárias para eliminar este grupo", acrescentou.

De acordo com o governador, "os sabotadores abriram fogo contra um veículo em movimento".

O grupo ucraniano teria feito reféns, segundo as agências de notícias russas Ria Novosti, TASS e Interfax, que citaram testemunhas e fontes das forças de segurança.

A AFP não conseguiu comprovar as informações com fontes independentes.

Ao mesmo tempo, o conselheiro de Segurança da presidência da Ucrânia, Mikhailo Podoliak, classificou as afirmações como uma "provocação deliberada" da Rússia com o objetivo de "assustar sua população para justificar" a ofensiva no território vizinho.

Pololiak disse que o incidente pode estar relacionado com uma ação de "milicianos" russos, que operam com métodos de guerrilha.

As regiões russas de fronteira com a Ucrânia foram alvo de vários bombardeios desde o início do conflito, mas é incomum que as autoridades apresentem relatos sobre um grupo de sabotadores.

Créditos

Últimas Notícias

ver mais
EUA faz acordo com 13 países da Ásia/Pacífico para cooperar em cadeias de produção
Mundo

EUA faz acordo com 13 países da Ásia/Pacífico para cooperar em cadeias de produção

Há 10 horas
Duas oficinas de embalsamamento descobertas no Egito na necrópole de Saqqara
Mundo

Duas oficinas de embalsamamento descobertas no Egito na necrópole de Saqqara

Há 13 horas
UE mantém cautela sobre atuação da China em negociações de paz entre Ucrânia e Rússia
Mundo

UE mantém cautela sobre atuação da China em negociações de paz entre Ucrânia e Rússia

Há 16 horas
Economistas veem expansão menor na China e corte de compulsório
Mundo

Economistas veem expansão menor na China e corte de compulsório

Há 17 horas
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais