Rússia agora diz que saída de Estação Espacial Internacional não está definida

"Nós certamente cumpriremos todas as nossas obrigações para com os nossos parceiros", disse o chefe da agência espacial russa
Anúncio na terça alimentou especulações de que esse seria mais um movimento de Moscou para pressionar o Ocidente a fim de obter alívio das sanções (YEVGENY BIYATOV/Getty Images)
Anúncio na terça alimentou especulações de que esse seria mais um movimento de Moscou para pressionar o Ocidente a fim de obter alívio das sanções (YEVGENY BIYATOV/Getty Images)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 29/07/2022 às 17:27.

Última atualização em 29/07/2022 às 17:36.

O chefe da agência espacial da Rússia, Yuri Borisov, afirmou nesta sexta-feira, 29, que o país não definiu uma data para sair do programa da Estação Espacial Internacional um breve recuo em relação a um anúncio anterior de que Moscou deixaria a cooperação internacional ao final de 2024.

"Nós certamente cumpriremos todas as nossas obrigações para com nossos parceiros", disse Borisov durante uma reunião televisionada com Putin na terça-feira, 26. "Mas foi tomada a decisão de deixar esta estação depois de 2024", acrescentou.

Em comentários televisionados, o chefe da Ruscosmos o equivalente russo da Nasa reafirmou que a Rússia iniciará o processo de deixar a estação após 2024, mas ponderou que o momento exato vai depender da capacidade russa de colocar sua própria estação espacial em órbita.

"O término dos trabalhos na Estação Espacial Internacional e o início dos trabalhos na estação russa, sem dúvida, devem ser sincronizados", disse Borisov.

A Estação Espacial Internacional serviu como símbolo da cooperação internacional após o fim da guerra fria e agora é uma das últimas áreas de cooperação entre a Rússia e o Ocidente em meio às tensões da guerra na Ucrânia.

O anúncio na terça alimentou especulações de que esse seria mais um movimento de Moscou para pressionar o Ocidente a fim de obter alívio das sanções O antecessor de Borisov, Dmitri Rogozin, disse no mês passado que Moscou participaria das negociações sobre uma possível extensão das operações da estação apenas se os EUA levantassem suas sanções contra as indústrias espaciais russas.

No entanto, Borisov insistiu que a decisão de sua agência não estava relacionada à política. "Não há aspectos políticos aqui, e acredito que não deveria haver nenhum", disse ele.

"A Estação Espacial Internacional enriqueceu a ciência com conhecimento sobre a Terra e sobre o Universo e nos uniu. Esses projetos devem ficar longe da política. Lamento que nossos projetos espaciais conjuntos, que são importantes para toda a humanidade, estejam ganhando um tom político. Está errado", acrescentou o russo.

A Nasa informou que ainda não foi notificada oficialmente sobre o assunto. Bill Nelson, administrador da Nasa, divulgou um comunicado dizendo que a agência está "comprometida com a operação segura" da estação espacial até 2030 e continua "a construir capacidades futuras para garantir nossa presença principal na órbita baixa da Terra".

Veja também:

Ataque russo mata quatro pessoas em Mykolaiv, diz Ucrânia

Justiça portuguesa abre 10 investigações sobre possíveis agressões sexuais nas igrejas