Mundo
Acompanhe:

Rússia acusa Reino Unido de "dirigir e coordenar" sabotagem aos gasodutos Nord Stream

"Nossos serviços de Inteligência têm provas que sugerem que o ataque foi dirigido e coordenado por especialistas militares britânicos", declarou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov

As acusações foram divulgadas depois de um ataque com drones ucranianos contra a frota russa do Mar Negro, na Crimeia (Danish Defence/Anadolu Agency via Getty Images/Getty Images)

As acusações foram divulgadas depois de um ataque com drones ucranianos contra a frota russa do Mar Negro, na Crimeia (Danish Defence/Anadolu Agency via Getty Images/Getty Images)

A
AFP

1 de novembro de 2022, 13h48

A Rússia acusou o Reino Unido, nesta terça-feira, 1º, de "dirigir e coordenar" as explosões de setembro que provocaram vazamentos nos gasodutos Nord Stream 1 e 2 no Mar Báltico, construídos para transportar gás russo para a Europa.

"Nossos serviços de Inteligência têm provas que sugerem que o ataque foi dirigido e coordenado por especialistas militares britânicos", declarou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

Paralisação dos caminhoneiros: acompanhe ao vivo

"Há provas de que o Reino Unido está envolvido em uma sabotagem, um ataque terrorista contra infraestruturas de energia vitais, não russas, e sim internacionais", completou Peskov.

"Tais ações não podem ficar [sem resposta]. Vamos refletir sobre as medidas que devem ser adotadas", destacou, depois de denunciar "o silêncio inaceitável das capitais europeias".

O porta-voz do novo primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, disse que as acusações das autoridades russas tinham como objetivo "desviar" a atenção, o que "faz parte de seus métodos habituais".

No sábado, 29, o Exército russo acusou o Reino Unido de envolvimento nos vazamentos de gás na infraestrutura do Nord Stream.

As acusações foram divulgadas depois de um ataque com drones ucranianos contra a frota russa do Mar Negro, na Crimeia, cujo planejamento Moscou também atribuiu a "especialistas britânicos".

"Falsas afirmações", reagiu, em Londres, o chefe da diplomacia britânica, James Cleverly.

Na segunda-feira, o ministro afirmou que as acusações russas estão "cada vez mais afastadas da realidade" e buscam "desviar a atenção do povo russo dos fracassos russos no campo de batalha".

Em 26 de setembro, foram detectados quatro grandes vazamentos nos gasodutos Nord Stream 1 e 2, perto da ilha dinamarquesa de Bornholm, dois na zona econômica da Suécia, e dois, na zona econômica da Dinamarca.

As inspeções submarinas preliminares reforçaram as suspeitas de sabotagem, porque os vazamentos foram precedidos de explosões.

Os gasodutos Nord Stream, que ligam a Rússia à Alemanha, estão no centro das tensões geopolíticas há vários anos, agravadas pela decisão de Moscou de cortar o abastecimento para a Europa.

LEIA TAMBÉM: