Mundo

Reunião entre Xi Jinping e Biden não será 'tranquila', prevê ministro chinês

Países concordaram em trabalhar para uma reunião bilateral na próxima cúpula do fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico em São Francisco, em novembro

Encontro em 2011 do então vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e do presidente chinês Xi Jinping: a tecnologia é o centro da disputa comercial e da dependência entre os dois países (Lintao Zhang/Getty Images)

Encontro em 2011 do então vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e do presidente chinês Xi Jinping: a tecnologia é o centro da disputa comercial e da dependência entre os dois países (Lintao Zhang/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 29 de outubro de 2023 às 10h55.

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse que o caminho para uma esperada reunião entre o presidente Xi Jinping e o dos Estados Unidos, Joe Biden, não será "tranquilo" e que ambos devem trabalhar juntos para alcançar resultados.

ENTREVISTA: Guerra em Israel, Ucrânia e Rússia: vivemos a era dos problemas sem solução?

Wang Yi se reuniu com Biden, bem como com o secretário de Estado americano, Antony Blinken, e o conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, durante uma visita de três dias a Washington.

Os dois lados concordaram em trabalhar para uma reunião bilateral na próxima cúpula do fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico em São Francisco, em novembro.

A visita de três dias de Wang a Washington ocorreu em um momento em que as tensões entre China e Estados Unidos continuam altas, inclusive em relação aos controles de exportação dos EUA sobre tecnologia avançada e às ações mais assertivas chinesas nos mares do leste e do sul do país.

Embora ainda haja muitas questões a serem resolvidas, os dois lados acreditam que é benéfico e necessário que os EUA e a China mantenham o diálogo.

Aproximação entre EUA e China

A reunião é a mais recente de uma série de contatos de alto nível entre os dois países, que exploram a possibilidade de estabilizar um relacionamento cada vez mais tenso em um momento de conflito na Ucrânia e em Israel.

De acordo com a declaração do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang também disse que China e EUA precisavam de um "retorno a Bali", em uma referência à reunião anterior de Xi e Biden em uma cúpula do G20 no ano passado, onde ambas as autoridades discutiram questões relacionadas a Taiwan, tensões comerciais americanos e chineses, bem como a cooperação para tratar de questões como mudanças climáticas, saúde e segurança alimentar.

Wang disse que os dois países devem "eliminar a interferência, superar os obstáculos, aumentar o consenso e acumular resultados".

Outras questões discutidas entre Wang e Biden incluíram intercâmbios militares entre os EUA e a China, além de intercâmbios e cooperação financeira, tecnológica e cultural, bem como as crises no Oriente Médio e na Ucrânia.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)Departamento de Estado dos EUAJoe BidenChinaXi Jinping

Mais de Mundo

'Tome chá de camomila', diz Maduro após Lula se preocupar com eleições na Venezuela

Maduro deve aceitar resultado das eleições se perder, diz ex-presidente argentino

Macron só vai nomear primeiro-ministro após Jogos Olímpicos

Religiosos de vilarejo indiano onde avô de Kamala Harris viveu rezam por vitória da democrata

Mais na Exame