Mundo

Reformista Masoud Pezeshkian vence as eleições presidenciais no Irã

Antigo ministro da Saúde e parlamentar tornou-se o nono presidente da história da República Islâmica do Irã

Masoud Pezeshkian: candidato reformista ganhou as eleições iranianas (EPA/STR/EFE)

Masoud Pezeshkian: candidato reformista ganhou as eleições iranianas (EPA/STR/EFE)

EFE
EFE

Agência de Notícias

Publicado em 6 de julho de 2024 às 09h08.

Última atualização em 6 de julho de 2024 às 10h24.

O reformista Masoud Pezeshkian venceu o segundo turno das eleições presidenciais do Irã e será o próximo presidente do país, informou a Comissão Eleitoral Iraniana.

Pezeshkian, cirurgião cardíaco de 69 anos, obteve 53,6% dos votos contra o ultraconservador Saeed Jalili com 44,3%, em uma eleição que teve participação de 49,9% com 30.573.931 votos.

“Desta forma, o senhor Masoud Pezeshkian é o vencedor das décimas quartas eleições presidenciais da República Islâmica do Irã”, anunciou o porta-voz da Comissão Eleitoral iraniana, Mohsen Eslami, em uma entrevista coletiva.

O antigo ministro da Saúde e parlamentar tornou-se o nono presidente da história da República Islâmica do Irã e sucederá ao ultraconservador Ebrahim Raisi, falecido em um acidente de helicóptero em maio.

O presidente eleito do Irã era um político pouco conhecido no início da campanha, mas ganhou popularidade com uma mensagem de moderação, aproximação com o Ocidente e críticas ao véu.

Ele conseguiu unir o voto de descontentamento com as políticas de Raisi, sob cujo governo aumentou a repressão social e política, enquanto sua campanha alimentou o medo de Jalili, um ultraconservador com reputação de “intransigente”.

Um presidente reformista

Pezeshkian se tornará o primeiro presidente reformista, um grupo político que busca alguma abertura, em anos no país, em um momento de fortes tensões regionais devido à guerra em Gaza, mas também dentro do Irã por conta de políticas como a imposição do véu e da falta de liberdades.

O presidente iraniano tem poder de decisão sobre questões nacionais e, em menor grau, sobre a política externa e de segurança, onde o líder supremo, Ali Khamenei, atua como chefe de Estado com vastos poderes.

A participação dos 61 milhões de iranianos chamados às urnas também esteve em jogo nas eleições e 49,8% do eleitorado votou, o que representa uma melhoria em comparação aos 39,9% no primeiro turno.

Esses 39,9% representaram o recorde de abstenção na história da República Islâmica do Irã, que sempre deu grande importância à participação como prova de apoio e legitimidade popular.

Acompanhe tudo sobre:Irã - PaísEleições

Mais de Mundo

Há comida nos mercados, mas ninguém tem dinheiro para comprar, diz candidata barrada na Venezuela

Companhias aéreas retomam gradualmente os serviços após apagão cibernético

Radiografia de cachorro está entre indícios de esquema de fraude em pensões na Argentina

Trump conversa com Zelensky e promete "negociação" e "fim da guerra" na Ucrânia

Mais na Exame