Rebeldes se mostram favoráveis a nova trégua no Iêmen

Representante responsabilizou os países da coalizão pelas "consequências trágicas que terá uma nova agressão contra o povo iemenita"

Sana - A milícia rebelde xiita dos houthis se mostrou propícia nesta terça-feira a acordar uma nova trégua com a coalizão liderada por Riad para pôr fim ao bloqueio e aos ataques aéreos no Iêmen, uma possibilidade levantada pela Arábia Saudita.

O presidente do Comitê Revolucionário Supremo -a máxima instância de poder dos houthis-, Mohammed Ali al Houthi, ressaltou "a importância de tratar com um positivismo maior os esforços humanitários que pretendem acabar com o bloqueio imposto pela coalizão ao Iêmen".

Em entrevista à agência de notícias iemenita "Saba", Al Houthi responsabilizou os países da coalizão pelas "consequências trágicas que terá uma nova agressão contra o povo iemenita".

Ontem, o ministro saudita das Relações Exteriores, Adel al Yobeir, assegurou que o respeito da trégua no Iêmen por parte dos países da coalizão militar está vinculado ao compromisso dos rebeldes houthis e de seus aliados a não quebrá-la.

Em 12 de maio, entrou em vigor uma trégua humanitária de cinco dias, que terminou na noite de domingo, sem que fora renovada.

Horas antes de vencer esse prazo, o enviado especial da ONU para o Iêmen, Ismail Ould al Sheikh Ahmed, pediu em vão desde Riad às partes envolvidas no conflito sua renovação por outros cinco dias.

Nesse mesmo dia, o porta-voz das Forças Armadas iemenitas, Sharaf Luqman, leal aos houthis, se pronunciou também a favor desta opção: "Nós tratamos positivamente qualquer iniciativa de cessação da agressão (...) Damos as boas-vindas à chamada do enviado da ONU".

Nos dois dias posteriores ao fim da trégua foram reatados os bombardeios da coalizão contra as posições dos houthis e os combates entre ambos os grupos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.