Mundo

Quem são Rishi Sunak e Liz Truss, candidatos à sucessão de Boris Johnson

De um lado, Truss afirmou estar errada sobre o apoio à permanência do Reino Unido na União Europeia em 2016. De outro, o hindu e filho de indianos, que renunciou ao ministério das Finanças

 (Chris J. Ratcliffe/Bloomberg/Getty Images)

(Chris J. Ratcliffe/Bloomberg/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

21 de julho de 2022, 16h46

O ex-ministro das Finanças Rishi Sunak e a ministra das Relações Exteriores Liz Truss iniciaram nesta quinta-feira, 21, suas campanhas políticas para tentar obter o apoio dos filiados do Partido Conservador na decisão de quem será o novo primeiro-ministro do Reino Unido. A votação ocorrerá por correio e o resultado será anunciado no dia 5 de setembro.

De um lado, a líder da diplomacia britânica, que afirmou estar errada sobre o apoio à permanência do Reino Unido na União Europeia em 2016, promete reverter o recente aumento das contribuições para a previdência social, suspender os impostos sobre as contas de energia para promover as energias renováveis e um orçamento de emergência.

De outro, o hindu e filho de indianos, que renunciou ao ministério das Finanças em 5 de julho, reivindica o legado da primeira-ministra ultraliberal Margaret Thatcher e promete “uma série de reformas tão abrangentes quanto as lideradas pela ‘dama de ferro’ na década de 1980 para incentivar o crescimento e a prosperidade em todos os cantos do Reino Unido e usar as liberdades que o Brexit nos deu”.

Os dois se classificaram para a fase final da corrida para suceder ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson. Saiba mais sobre eles:

Chanceler promete linha dura com Putin

Elizabeth Truss faz parte da ala mais à direita do Partido Conservador. Chanceler desde 2021, ela já ocupou cargos ministeriais em diversos departamentos do governo.

Durante sua carreira profissional, atuou como ministra da Educação, secretária de Estado do Meio Ambiente, secretária da Justiça, secretária-chefe do Tesouro e secretária de Estado do Comércio Internacional, presidente da Junta Comercial e por fim, como ministra da Mulher e da Igualdade.

A chanceler afirmou em um de seus discursos de campanha que o Reino Unido está em um momento crítico ainda pelo enfrentamento dos desafios da covid-19 e pela guerra na Ucrânia iniciada por Vladimir Putin, por isso promete manter uma linha dura contra o presidente russo.

Além disso, a candidata explicou que agora é o momento de ousar, deixar de lado a gestão econômica que levou o país ao baixo crescimento por décadas, cumprir o Brexit e “vencer a luta pela liberdade”. Segundo ela, foram por esses motivos que está se apresentando para a liderança do Partido Conservador e candidata à primeira-ministra.

Liz Truss tem a proposta de liderar um governo comprometido com os princípios conservadores, prometendo enfrentar a crise inflacionária por meio do corte de impostos e com isso impulsionar o crescimento econômico, incluindo o imposto corporativo.

Ela afirma que, ao longo do período escolar, teve contato com muitas crianças desiludas por padrões educacionais fracos e falta de oportunidade. Portanto, ressalta a sua preocupação com a educação e explica que deseja que o Reino Unido seja uma nação onde todos tenham a oportunidade de ter uma ótima educação e serem capazes de iniciarem seus próprios empreendimentos. Segundo ela, isso é subir de nível de maneira conservadora.

VEJA TAMBÉM: Primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, renuncia

Ex-ministro é parlamentar mais rico do país

Rishi Sunak foi o primeiro ministro das Finanças britânico de origem asiática e é o parlamentar mais rico do Reino Unido. Desde 2015, é membro do Parlamento por Richmond. Já foi secretário-geral do Tesouro e também subsecretário de Estado do Parlamento para os governos locais.

Surpreendentemente, demorou apenas cinco anos na política para conquistar o cargo de ministro das Finanças, após a renúncia do antecessor, Sajid Javid.

Em uma das suas entrevistas de campanha, Sunak exaltou que é preciso reconhecer todos os danos que a pandemia causou na economia do Reino Unido, também brincou que gostaria de falar que cortando os impostos tudo ficaria bem, mas existe um custo para isso acontecer, como a inflação mais alta e que isso não é nada conservador.

Segundo o candidato, ser conservador significa ser responsável com o dinheiro, tanto das pessoas como das finanças públicas. Amortizar a dívida assumida durante a pandemia é fazer o correto tomar a opção responsável.

Recebendo muitas críticas, incluindo do Partido Conservador, após período de isolamento, Sunak retornou à sua ortodoxia orçamentária aumentando os impostos na tentativa de equilibrar as contas públicas depois de o país se endividar para enfrentar a pandemia. Além disso, se pronunciou a favor do Brexit, apoiando as propostas do Protocolo da Irlanda do Norte e promoveu portos livres no Reino Unido, tirando proveito da saída do bloco.

Eleições em 2024

Os dois candidatos afirmam ser os melhores para derrotar o opositor Partido Trabalhista nas próximas eleições legislativas, marcadas para 2024. O acúmulo de escândalos sob o mandato de Boris Johnson levou o Partido Trabalhista ao topo das pesquisas.

O Reino Unido nunca esteve com nível tão alto de inflação nos últimos 40 anos, com 9,4%.

(COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)