Quatro pessoas morrem durante invasão ao Congresso dos EUA

Entre os mortos está uma mulher apoiadora de Trump baleada e outras três pessoas que morreram de "emergências médicas", informou a polícia
Manifestantes tentavam impedir a ratificação da vitória eleitoral de Biden, que foi concluída na madrugada desta quinta-feira (Bill Clark/Getty Images)
Manifestantes tentavam impedir a ratificação da vitória eleitoral de Biden, que foi concluída na madrugada desta quinta-feira (Bill Clark/Getty Images)
I
Isabela Rovaroto

Publicado em 07/01/2021 às 08:00.

Última atualização em 07/01/2021 às 09:17.

A polícia de Washington informou que quatro pessoas morreram durante a invasão de apoiadores de Donald Trump ao Congresso dos Estados Unidos. Manifestantes tentavam impedir a ratificação da vitória eleitoral de Joe Biden, que foi concluída na madrugada desta quinta-feira.

Entre os mortos está uma mulher apoiadora de Trump baleada pela polícia. Ex-militar e fervorosa seguidora de Trump, Ashli Babbitt vivia no sul da Califórnia, informou a imprensa americana. Ela foi levada para o hospital, mas não resistiu. O chefe de polícia Robert Contee disse que foi aberta uma investigação para apurar este "trágico acontecimento".

Outras três pessoas, uma mulher e dois homens, morreram de "emergências médicas", informou Contee. A polícia não deu mais detalhes sobre as outras vítimas.

Ao menos 14 polícias ficaram feridos e muitos foram hospitalizados. O chefe de polícia também informou que 52 pessoa foram presas, das quais 47 desrespeitaram o toque de recolher estipulado pela prefeitura de Washington.

Além disso, a prefeita de Washington, Muriel Bowser, anunciou a prorrogação do estado de emergência por 15 dias até a posse de Biden, em 20 de janeiro, em meio a temores de novas ações violentas por partidários de Trump, que se recusam a reconhecer sua derrota.

Membros do gabinete do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, discutiram a possibilidade de destituir o presidente, informou a mídia americana na noite desta quarta-feira. As discussões centraram-se na 25ª emenda à Constituição dos Estados Unidos, que permite a destituição de um presidente pelo vice-presidente e pelo gabinete se ele for considerado “incapaz de cumprir os poderes e deveres de seu cargo”.

Trump prometeu uma “transição ordenada em 20 de janeiro”, logo após o Congresso ratificar a vitória do democrata Joe Biden. O presidente americano voltou a dizer que discorda do resultado das eleições.