Mundo

Putin ganha cães de Kim Jong-un durante visita à Coreia do Norte; veja fotos

Ao mesmo tempo, o ditador coreano recebeu uma nova limusine do presidente russo

Kim Jong-un e Vladimir Putin brincam com cachorros da raça pungsan (KCNA/Divulgação)

Kim Jong-un e Vladimir Putin brincam com cachorros da raça pungsan (KCNA/Divulgação)

Mateus Omena
Mateus Omena

Repórter da Home

Publicado em 20 de junho de 2024 às 16h56.

Última atualização em 20 de junho de 2024 às 17h10.

Nesta semana, o presidente russo, Vladimir Putin, foi recompensado após presentear Kim Jong-un com uma limusine durante sua primeira visita a Pyongyang em 24 anos. O líder norte-coreano presenteou Putin com um par de cães pungsan, segundo informações da agência estatal KCNA nesta quinta-feira, 20.

A televisão estatal Korean Central Television exibiu cenas dos líderes observando os cães, que estavam amarrados a uma cerca adornada com rosas. Kim e Putin se aproximaram dos animais, fizeram caricias e deram alimentos.

Não é a primeira vez que Pyongyang usa cães em estratégia de diplomacia. Em várias ocasiões, esssa prática gerou controvérsias. Após as reuniões intercoreanas de 2018, quando as tensões na península estavam mais baixas comparadas aos dias atuais, Kim Jong-un presenteou o então presidente sul-coreano Moon Jae-in com um par de pungsans, chamados Gomi e Songgang.

Importância simbólica

O pungsan é um cachorro de caça típico da Coreia do Norte. Em 1956, foi escolhido como símbolo nacional e, em 2014, os pungsans foram oficialmente reconhecidos como o cão nacional da Coreia do Norte.

Durante os anos 2000, o governo norte-coreano promoveu os pungsans como cães independentes, orgulhosos e resistentes a influências estrangeiras, segundo a NK News, um site americano baseado em Seul especializado em notícias sobre a Coreia do Norte.

Os cães da raça pungsan também já foram inspiração para um desenho infantil. Lançada em 2010, a animação "História do cão Pungsan" narra a história de uma criança e seu cão pungsan. Em dois momentos distintos, estrangeiros tentam tirar o cão do garoto – primeiro, para lutar contra tigres, e depois, um comerciante árabe tenta comprá-lo.

Além disso, o romance "Cães Pungsan", publicado em 2017, descreve um enredo fictício onde autoridades japonesas tentam exterminar a raça durante o período colonial na região. Entretanto, alguns canis internacionais questionam o status do pungsan como uma raça distinta, considerando-o apenas uma variação local do husky siberiano.

O uso de cavalos também é bastante comum na propaganda norte-coreana. Em 2019, fotos de Kim Jong-un montando um cavalo branco no Monte Paektu durante uma nevasca repercutiram na internet. A mesma estratégia foi repetida em um vídeo de 2022, onde o ditador também aparece cavalgando.

Assim como os cães pungsan, os cavalos têm um significado especial para a Coreia do Norte. O país nomeou seu esforço econômico para a recuperação da Guerra da Coreia (1950-1953) de Movimento Chollima, em homenagem ao cavalo alado da mitologia oriental. Até o mais recente propulsor de foguetes do país é chamado Chollima-1.

Acompanhe tudo sobre:Coreia do NorteRússiaVladimir PutinKim Jong-un

Mais de Mundo

Fãs de Trump se reúnem em Milwaukee para lhe dar apoio: "precisa saber que é amado"

Biden pede que país 'reduza a temperatura política' e que evite o caminho da violência

Nikki Haley é convidada de última hora como oradora para convenção republicana

FBI crê que atirador que tentou matar Trump agiu sozinho e não pertence a grupo terrorista

Mais na Exame