Programa choca ao dar “dicas” para mulheres ocultarem abusos

Na rede estatal do Marrocos, programa ensinou como usar a maquiagem para esconder marcas da violência. Veja o vídeo

São Paulo – Um programa de televisão da rede estatal do Marrocos chocou o mundo depois de levar ao ar um quadro no qual foram dadas dicas de maquiagem para ocultar marcas e ferimentos resultado da violência doméstica.

O país é duramente criticado por entidades que defendem os direitos humanos por ter uma legislação considerada frágil no que tange a violência contra a mulher e por não oferecer um sistema adequado de atendimento às vítimas de abusos.

“Esperamos que essas dicas de beleza possam lhe ajudar no seu dia a dia”, disse a apresentadora. De acordo com o jornal britânico The Guardian, o programa foi ao ar no último dia 23, dois dias antes do Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra a Mulher.

A apresentadora aparece sorridente no momento em que anuncia a próxima atração do programa Sabahiyat. Em seguida, a maquiadora, também em clima de tranquilidade, dá início ao processo de camuflagem em uma mulher que está maquiada de modo a simular hematomas na região do rosto.

Nas redes sociais, o clima entre os usuários foi de consternação, com o surgimento de um abaixo-assinado que ordenava que a rede de televisão pedisse desculpas publicamente.

O quadro foi retirado do site do canal, mas ainda está disponível internet afora. Na página oficial do programa no Facebook, a equipe postou um comunicado no qual diz entender que o segmento era inapropriado e que foi um erro de julgamento editorial.

Veja o vídeo:

Violência contra a mulher no Marrocos

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, 1 em cada 3 mulheres em todo o mundo já sofreram algum tipo de violência, seja nas mãos de conhecidos ou desconhecidos, e 38% das mortes violentas de mulheres são de autoria de parceiros.

No Marrocos, os números são tão preocupantes quanto os dados globais. De acordo com a organização não governamental The Advocates for Human Rights, 63% das mulheres relataram ter sido vítima de agressões e em 55% dos casos, os agressores eram os próprios maridos.

Um dos problemas que impedem o país de enfrentar o problema de forma coerente é a falta de uma legislação adequada. O Marrocos até conta com uma lei específica sobre o tema. No entanto, ela não define o que é a violência doméstica e não criminaliza o estupro dentro do casamento.  Além disso, sua aprovação está parada desde 2013.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.