Procuradoria do Peru investigará Keiko Fujimori no caso Odebrecht

A filha do ex-presidente Alberto Fujimori (1990-2000) deve ser chamada para prestar depoimento no processo

Lima - A Segunda Procuradoria de Lavagem de Ativos do Peru abriu nesta terça-feira uma investigação preliminar sobre Keiko Fujimori, líder do partido opositor Força Popular, por sua possível vinculação com o escândalo de corrupção da Odebrecht no país.

Segundo informa o jornal "Diario Correo", que publica um documento do Ministério Público, o procurador Germán Juárez formalizou a investigação deste caso, que se prolongará por um período de oito meses nos quais a filha do ex-presidente Alberto Fujimori (1990-2000) deve ser chamada para prestar depoimento.

Esta medida é divulgada poucas horas depois de a procuradoria peruana confirmar a existência de uma nota do empresário Marcelo Odebrecht, ex-presidente da construtora brasileira, que envolvia Fujimori na sua trama de corrupção.

O procurador da nação (equivalente a procurador-geral), Pablo Sánchez, assegurou que a nota achada no telefone celular de Marcelo Odebrecht, que dizia "Aumentar Keiko a 500 e eu fazer a visita", estava em posse dos procuradores peruanos para incorporá-la às suas respectivas investigações do caso Odebrecht.

Sánchez explicou que "se comprovou" a existência dessa anotação, que em junho deste ano já havia sido publicada pelo portal IDL-Reporteros, e anunciou que sua instituição seguirá "os canais processuais" para indagar mais sobre essa informação.

Marcelo Odebrecht pediu ao diretor da sua construtora no Peru, Jorge Barata, que aumentasse o apoio à candidatura de Fujimori durante a campanha presidencial peruana de 2011, segundo as declarações que deu a procuradores peruanos em maio e que também foram publicadas em julho pela revista "Caretas".

Keiko Fujimori assegurou há 18 dias que, com a diligência da procuradoria peruana para confirmar a existência dessa nota, "se confirmará que nunca recebemos dinheiro da Odebrecht".

No Peru, o caso Odebrecht se centra em traçar o rastro dos US$ 29 milhões que a construtora brasileira admitiu ter pagado em subornos a funcionários peruanos em troca da adjudicação de milionárias obras entre 2005 e 2014.

Esse período abrange os mandatos presidenciais de Alejandro Toledo (2001-2006), que tem uma ordem de captura por ter recebido um suposto suborno de US$ 20 milhões; Alan García (2006-2011), incluído em investigações de propinas no metrô de Lima; e Ollanta Humala (2011-2016), preso por suposto financiamento irregular no seu partido.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.