Mundo

Príncipe William deve assumir alguns compromissos do pai, o rei Charles III

Monarca foi aconselhado por médicos a adiar aparições e compromissos públicos durante o tratamento contra a doença, iniciado na segunda-feira

As atividades de William serão retomadas na quarta-feira, após terem sido suspensas devido a uma cirurgia abdominal de sua esposa (AFP/AFP)

As atividades de William serão retomadas na quarta-feira, após terem sido suspensas devido a uma cirurgia abdominal de sua esposa (AFP/AFP)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 6 de fevereiro de 2024 às 12h10.

Última atualização em 6 de fevereiro de 2024 às 12h41.

O príncipe William de Gales, herdeiro da coroa britânica, deverá assumir algumas funções em nome do seu pai, o rei Charles III, diagnosticado com câncer, segundo o jornal britânico The Guardian, citando a PA Media.

O monarca de 75 anos iniciou o tratamento na segunda-feira, de acordo com um comunicado do Palácio de Buckingham, e por isso deverá adiar compromissos e aparições públicas. As funções do pai assumidas por William, que também estava afastado e deve retornar aos seus compromissos nesta semana, deverão somar-se à sua própria agenda.

As atividades de William serão retomadas na quarta-feira, após terem sido suspensas devido a uma cirurgia abdominal de sua esposa, Kate Middleton, que continua em recuperação. Na quarta, o príncipe assistirá a uma cerimônia de posse no Castelo de Windsor e, à tarde, participará de um baile beneficente em Londres, em prol da London Air Ambulance, informou o Palácio de Kensington, citado pela agência de notícias PA.

O herdeiro de 41 anos, portanto, deverá não apenas cobrir alguns compromissos públicos do pai, segundo a BBC, como também cumprir seus compromissos sem a princesa de Gales, que deve retomar à sua agenda apenas depois da Páscoa.

O herdeiro é muito mais popular que o próprio rei (e o mais popular entre os membros da família real britânica), com 68% de aprovação, de acordo com uma pesquisa recente do YouGov. Ele está à frente de sua tia, a princesa Anne, com 67%, e de sua esposa Kate, com 63%. O rei, por sua vez, aparece apenas na sexta posição, com 51%.

Linha de frente vazia

Harry, duque de Sussex, desembarcou nesta terça-feira no Reino Unido para ver o pai, informou a imprensa britânica. Ele foi visto em um aeroporto de Los Angeles na noite do anúncio, segundo a BBC. O príncipe tem uma relação turbulenta com o restante da família real britânica, incluindo o irmão. De acordo com a emissora britânica, não se sabe se eles se encontrarão.

Atualmente, Harry mora na Califórnia com sua família, a duquesa de Sussex Meghan Markle e seus dois filhos, Archie e Lilibet, desde que abdicou de suas funções reais em 2020.

Com o duque afastado e os problemas de saúde sucessivos, além da retirada do príncipe Andrew da vida pública após um escândalo de abuso sexual de menores, o círculo de membros ativos da família real britânica foi reduzido quase pela metade, deixando a rainha Camilla, de 76 anos, na linha de frente, com diversos compromissos semanais.

O diagnóstico do rei

Charles foi aconselhado pelos médicos a suspender suas aparições e compromissos públicos devido ao tratamento contra o câncer, sobre o qual está "totalmente confiante". Contudo, é esperado que o rei continue a receber as suas "caixas vermelhas", que contém documentos do governo a serem revisados pelo monarca, e a "tratar de negócios do Estado e da papelada oficial".

A princípio, ele seguirá realizando o seu encontro semanal com o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, e as reuniões do Conselho Privado, embora não tenham sido divulgados mais detalhes. Além disso, caso os médicos aconselhem minimizar o contato pessoal, também é esperado que arranjos alternativos sejam feitos para as audiências com o premier, informou o Guardian.

No fim de janeiro, Charles deu entrada em um hospital de luxo de Londres, no Reino Unido, para fazer uma cirurgia por um quadro de próstata aumentada — comum entre homens a partir dos 60 anos. Mas, na segunda-feira, o palácio revelou que, durante seu recente procedimento hospitalar, "um problema separado de preocupação foi observado" e que "testes diagnósticos subsequentes identificaram uma forma de câncer".

Videográfico especial: Veja como fica a linha de sucessão com a coroação do Rei Charles III
Apesar disso, uma fonte próxima à Buckingham, citada pela agência Reuters, afirmou que não se trata de câncer de próstata, como se especulava quando a notícia foi divulgada.

O diagnóstico foi informado aos filhos, William e o príncipe Harry, segundo o Guardian, bem como aos seus três irmãos, Anne, a princesa real, Edward, duque de Edimburgo e Andrew, duque de York. Charles se tornou rei após a morte de sua mãe, a Rainha Elizabeth II, em 8 de setembro de 2022. Ele está há 17 meses no trono, após ser coroado em 6 de maio do ano passado, na Abadia de Westminster.

A morte de Elizabeth, aos 96 anos, teria sido por velhice — embora um biógrafo real tenha alegado que ela tinha câncer na medula óssea, uma informação que nunca foi confirmada oficialmente.

Já o pai da falecida rainha e avô de Charles, o rei George VI, um fumante inveterado, teve um pulmão removido em setembro de 1951, sem que o fato fosse tonado público. Ele nunca se recuperou, morrendo em fevereiro de 1952. Depois, descobriu-se que ele tinha câncer de pulmão.

Acompanhe tudo sobre:Rei-Charles-III

Mais de Mundo

Eleições nos EUA: vice de Trump, Vance promete recuperar indústria em estados cruciais na disputa

Solto da prisão de manhã, Peter Navarro é ovacionado na convenção republicana à noite

Biden tem grandes chances de desistir no fim de semana, dizem democratas em Washington

Fotos de ataque a Trump são usadas para vender bíblias e camisetas na Convenção Republicana

Mais na Exame