Mundo

Primeiro-ministro britânico felicita Milei, mas não prevê revisão sobre decisão das Malvinas

Rishi Sunak fez um discurso nesta segunda-feira, em que parabeniza o novo presidente argentino

Sunak: Em um discurso à imprensa, Sunak ressaltou que, como membros do G20 e com uma parceria comercial próspera, o governo britânico espera desenvolver uma relação forte e produtiva com a Argentina (Chris J. Ratcliffe/Getty Images)

Sunak: Em um discurso à imprensa, Sunak ressaltou que, como membros do G20 e com uma parceria comercial próspera, o governo britânico espera desenvolver uma relação forte e produtiva com a Argentina (Chris J. Ratcliffe/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 24 de novembro de 2023 às 07h52.

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, parabenizou Javier Milei pela vitória nas eleições argentinas, nesta segunda-feira. Apesar das felicitações, o político lembrou que a disputa entre Argentina e Inglaterra pela soberania das Ilhas Malvinas “é uma questão resolvida”.

O economista de extrema-direita venceu as eleições presidenciais da Argentina no domingo. Considerado libertário, Milei derrotou o atual do ministro da Economia, o peronista de centro Sergio Massa. Na política externa, as propostas do “anarco capitalista” e “libertário” incluem a intenção de modular a relação com os principais parceiros comerciais da Argentina e retomar o controle das ilhas Falkland, conhecidas na Argentina como Malvinas.

Em um discurso à imprensa, Sunak ressaltou que, como membros do G20 e com uma parceria comercial próspera, o governo britânico espera desenvolver uma relação forte e produtiva com a Argentina. Porém, em relação ao arquipélago, o primeiro-ministro foi contundente.

— Não vi os comentários mais recentes sobre isso. Acho que [Milei] levantou vários pontos diferentes sobre isso durante a campanha. Da nossa parte, é obviamente uma questão que está resolvida há algum tempo. Não há planos para rever isso. A posição das Ilhas Malvinas está resolvida há algum tempo e não vai mudar — afirma.

Durante a campanha, Milei disse ao jornal La Nación que os argentinos perderam a guerra, e a população precisa fazer “todos os esforços para recuperar as ilhas pelos canais diplomáticos”. O então candidato, no entanto, não poupou elogios à primeira-ministra britânica à frente do conflito em 1982, Margareth Tatcher, e chegou a dizer que ela era a sua “ídola”.

— Óbvio que eu vou defender as Malvinas — concluiu Milei.

Briga das Malvinas

A briga pelo arquipélago de quase 4 mil habitantes próximo da costa argentina não é de agora: registradas por um britânico em 1690, e colonizadas por franceses em 1764, as ilhas já foram disputadas dez vezes. A Argentina tentou estabelecer o comando das Malvinas duas vezes e, em 1982, o conflito do país contra o Reino Unido ficou conhecido como a Guerra das Malvinas.

Buenos Aires chegou a ter posse do arquipélago por dois meses, mas, em julho de 1982, Londres recuperou o controle que tinha desde 1833. A Guerra das Malvinas resultou na morte de 649 militares argentinos e 255 britânicos, além de 3 civis residentes nas ilhas. Até hoje, a Argentina não digeriu a derrota para o país europeu.

Na época do conflito, Milei tinha 11 anos e lembra de assistir pela televisão ao general e presidente Leopoldo Galtieri anunciar o desembarque de tropas argentinas nas ilhas Falklands. O presidente eleito afirma ter dito ao pai na época que a decisão do governo militar lhe parecia um “delírio” pela desigualdade de forças entre os exércitos.

O argentino flerta com a possibilidade de uma negociação que remonta ao processo de paz em curso por 16 anos antes da guerra. O tratado foi baseado na ONU e colocou em pauta temas como a autonomia para os moradores das Malvinas e uma cessão de longo prazo do território para Buenos Aires. Mas, com o posicionamento de Sunak, o sucesso de Milei no tema parece improvável

Acompanhe tudo sobre:Rishi SunakJavier MileiReino Unido

Mais de Mundo

António Guterres se diz "decepcionado" após Parlamento de Israel votar contra Estado palestino

Parlamento de Israel votou contra criação de Estado palestino por considerar 'ameaça existencial'

Tudo o que se sabe sobre o 'apagão cibernético' que afetou aeroportos e até a bolsa de valores

Policiais viram atirador de Trump em cima de telhado próximo a palco 20 minutos antes de atentado

Mais na Exame