Presidentes do Irã, Rússia e Turquia se reúnem em Teerã para falar sobre guerras

Esta é a primeira cúpula presidida por Ebrahim Raisi desde que assumiu o cargo há um ano e a segunda viagem de Vladimir Putin ao exterior desde que lançou sua ofensiva na Ucrânia em 24 de fevereiro
Irã, Rússia e Turquia: A reunião tripartite ocorre dias após a viagem do presidente dos EUA, Joe Biden, ao Oriente Médio, onde visitou Israel e Arábia Saudita, dois países hostis ao Irã (AFP/AFP)
Irã, Rússia e Turquia: A reunião tripartite ocorre dias após a viagem do presidente dos EUA, Joe Biden, ao Oriente Médio, onde visitou Israel e Arábia Saudita, dois países hostis ao Irã (AFP/AFP)
A
AFPPublicado em 19/07/2022 às 07:22.

Os presidentes do Irã, Rússia e Turquia se reúnem em Teerã nesta terça-feira, 19, para negociações focadas principalmente no conflito da Síria, mas também na guerra na Ucrânia e seu impacto na economia mundial.

Esta é a primeira cúpula presidida por Ebrahim Raisi desde que assumiu o cargo há um ano e a segunda viagem de Vladimir Putin ao exterior desde que lançou sua ofensiva na Ucrânia em 24 de fevereiro.

A reunião tripartite ocorre dias após a viagem do presidente dos EUA, Joe Biden, ao Oriente Médio, onde visitou Israel e Arábia Saudita, dois países hostis ao Irã.

A cúpula se concentrará na Síria, onde Rússia, Turquia e Irã são os principais atores na guerra que devastou o país desde 2011. Moscou e Teerã apoiam o governo de Bashar al-Assad e Ancara apoia os rebeldes. Os três países lançaram o chamado processo de Astana em 2017, cujo objetivo oficial é levar a paz à Síria.

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan chegou em Teerã na noite de segunda-feira e foi recebido na manhã desta terça por seu homólogo iraniano no Palácio de Saadabad.

Juntamente com seu homólogo russo Vladimir Putin, eles participarão de "uma reunião de chefes de Estado que são garantidores do processo de paz" na Síria, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, em 12 de julho.

LEIA TAMBÉM: 

As duas crises de Draghi: premiê busca gás na Argélia enquanto tenta sobreviver em casa