Mundo

Presidente da Costa Rica demite ministra da Cultura por apoio à marcha LGBTQIAP+

Nayuribe Guadamuz, responsável pela pasta, deixou o cargo após se dizer favorável à manifestação que acontece no país neste domingo (30)

Segundo o comunicado da presidência da Costa Rica, a marcha não conta com autorização das autoridades, o que foi negado pelos organizadores do evento. (Marc Bruxelle/EyeEm/Getty Images)

Segundo o comunicado da presidência da Costa Rica, a marcha não conta com autorização das autoridades, o que foi negado pelos organizadores do evento. (Marc Bruxelle/EyeEm/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 30 de junho de 2024 às 16h30.

O presidente da Costa Rica, Rodrigo Chaves, demitiu, neste sábado (29), a ministra da Cultura e Juventude, Nayuribe Guadamuz, e o comissário de Inclusão Social, Ricardo Sosa, por apoiarem a marcha LGBTQIAP+ convocada para este domingo (30) na capital do país, San José.

"A decisão foi tomada porque processaram uma declaração de interesse cultural para uma marcha do orgulho LGBTI sem a autorização do presidente", informou o governo da Costa Rica em comunicado.

Segundo a nota, Chaves "não tinha conhecimento dessa declaração", portanto a demissão dupla se deve ao fato de os responsáveis não o terem notificado da decisão.

"A declaração de interesse cultural da atividade foi anulada pelo governo esta tarde (sábado)", acrescenta o comunicado.

Neste domingo, está convocada uma marcha em San José em defesa dos direitos das pessoas LGBTQIAP+, que começará do Parque Sabana até a Plaza de la Democracia, em frente ao Congresso dos Deputados.

Segundo o comunicado da presidência da Costa Rica, a marcha não conta com autorização das autoridades, o que foi negado pelos organizadores do evento.

"A marcha continua, o ato que está fazendo o senhor presidente é um ato ilegal, os procedimentos foram feitos como é feito em qualquer atividade", sinalizou Geovanny Delgado, porta-voz da Marcha da Diversidade.

A decisão de Chaves “é simplesmente um ato populista, como o que (o presidente de El Salvador) Nayib Bukele fez nesses dias, lamentamos que se prestem para um show”, acrescentou Delgado.

Bukele despediu em julho mais de 300 funcionários do Ministério da Cultura por promover "agendas" incompatíveis com a visão de seu governo. Ele não mencionou a que "agendas" ou "visão" se referia, mas na semana passada nomeou o ministro da Cultura, o ex-docente Raúl Castillo, para que "garantir" pelos os "valores" da família salvadorenha.

O anúncio de Bukele aconteceu dias após o Ministério da Cultura anunciar que cancelou a apresentação de uma peça de teatro porque, em seu primeiro e único dia em cartaz, mostrou "conteúdo impróprio para famílias salvadorenhas".

Na sexta-feira, o Tribunal Constitucional da Guatemala se recusou a proibir a marcha do Orgulho convocada para sábado pela comunidade LGBT, mas ordenou ao governo que garantisse a “proteção” dos “valores” e da “moral”.

O tribunal superior emitiu ordem concedendo proteção provisória a um advogado conservador que buscava impedir o desfile, que ocorreu nas ruas do centro da Cidade da Guatemala, a capital.

Acompanhe tudo sobre:LGBTCosta Rica

Mais de Mundo

Com Itália envelhecida, projeto quer facilitar ida de imigrantes para trabalhar no país; entenda

Premiê de Bangladesh cancela viagem ao Brasil após protestos em massa

Supremo de Bangladesh anula cotas de emprego que geraram protestos com mais de 100 mortos

Coreia do Norte lança mais balões de lixo e Seul diz que tocará k-pop na fronteira como resposta

Mais na Exame