Mundo

Morales confisca ações de fábrica de cimento na Bolívia

Dono da fábrica é um ex-candidato a presidência de centro-direita

A Bolívia sofre com falta de cimento no mercado (Gonzalo Jallasi/AFP)

A Bolívia sofre com falta de cimento no mercado (Gonzalo Jallasi/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 1 de setembro de 2010 às 16h54.

La Paz - O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou nesta quarta-feira o confisco de 33,34% das ações da empresa privada Fábrica Nacional del Cemento (Fancesa), de propriedade de um ex-candidato presidencial de centro-direita.

"Esta manhã aprovamos o decreto supremo que tem por objetivo recuperar para o governo autônomo departamental de Chuquisaca as ações", afirmou o presidente Morales em ato público em Sucre (sudeste), onde fica a empresa.

Os 33,34% do pacote acionário confiscado é de propriedade do empresário Samuel Doria Medina, ex-candidato presidencial da centro-direita, proprietário da maioria das empresas de cimento do país.

As outras ações pertencem à prefeitura de Sucre e à universidade estatal desta cidade.

A medida foi aprovada num momento em que a Bolívia passa por um sério desabastecimento do produto.

Leia mais sobre a Bolívia

Siga as últimas notícias de Mundo no Twitter

 

Acompanhe tudo sobre:América LatinaBolíviaConstrução civilEstatizaçãoIndústriaIndústrias em geral

Mais de Mundo

Por que Taylor Swift pode influenciar Banco da Inglaterra na decisão sobre as taxas de juros

Por que o apoio financeiro de Hollywood a Biden pode estar ameaçado

Quantidade de poeira no ar caiu em 2023, diz agência da ONU

'Praticamente nada' impedirá a guerra de Israel em Gaza, diz juíza sul-africana

Mais na Exame