Portugal pede ajuda financeira à UE, bancos devem ter alívio

País terá que concordar com medidas de austeridade econômica para receber contribuição

Lisboa - O governo de Portugal decidiu pedir ajuda financeira após meses do que economistas classificaram de recusa em admitir a realidade econômica, abrindo espaço para algum alívio para o setor financeiro.

Mas Lisboa terá que concordar com medidas duras de austeridade para obter o pacote de resgate, e ainda não está claro quão rápido um acordo poderá ser fechado no início de uma campanha eleitoral.

O primeiro-ministro interino, José Sócrates, anunciou na quarta-feira estar requisitando ajuda da União Europeia, dizendo que os riscos para a economia tornaram-se grandes demais para o país ficar sozinho, já que os custos de financiamento saltaram recentemente.

"Eu tentei de tudo, mas chegamos a um momento em que não tomar essa decisão implicaria riscos que o país não deve correr", afirmou ele em pronunciamento na televisão.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.