Por onde anda o ex-presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad?

Analistas dizem que o ex-líder está preparando um retorno para as eleições legislativas de 2016

Teerã.- O ex-presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad parece ter desaparecido: não faz discursos públicos, não aparece na mídia e, de um dia para outro, saiu da vida política. Ou não... Analistas dizem que o ex-líder está preparando um retorno para as eleições legislativas de 2016.

Os assessores negam, mas não de forma contundente, e o político permanece calado desde que deixou, há dez meses, a presidência da República Islâmica após oito anos de polêmicas tanto dentro como fora do Irã.

Desde junho de 2013, as vezes em que o líder é visto em público são raras. Não dá declarações, não participa de atos midiáticos e ouve sem contestar as críticas do governo de Hassan Rohani, que classificou seu mandato como 'ruína' para o país.

Apesar disso, a recente criação de um grupo autodenominado HAMA (sigla em persa de 'Seguidores de Mahmoud Ahmadinejad') para coordenar atividades nos veículos que falarem positivamente sobre o controvertido ex-presidente, fez com que analistas e jornalistas acreditassem que, após quase um ano sem atividade, ele poderia começar a planejar seu retorno.

Segundo o jornal de linha reformista 'Sharq', o grupo é composto por mais de 150 blogueiros e jornalistas que trabalham de forma voluntária para promover Ahmadinejad nas redes sociais e nos veículos de imprensa digitais e impressos.

O surgimento do HAMA coincide com o lançamento de vários sites de apoio ao político, como 'Dowlat-e Bahar', 'Ain News', 'Javan-e Enqelabi (Juventude Revolucionária)' e 'Meydan-e 72', nome da praça onde fica sua casa, em um bairro humilde do sul de Teerã.

Ali Akbar Javanfekr, assessor de Ahmadinejad há mais de dez anos e que ocupou postos-chave durante seu mandato, incluindo o de presidente da agência nacional 'Irna', assegura que ele não pretende voltar ao Executivo, mas deixa a porta aberta para algum tipo de retorno.

'Ele não tem intenção de voltar, mas não vai estar sempre à margem porque é um homem revolucionário e porque muitos pedem que volte', disse em entrevista à Agência Efe.

'Ahmadinejad está estudando de que forma retornar e em que posição. Seu objetivo não é obter o poder político ou o parlamento, mas realizar o papel que o povo espera dele: perseguir a justiça e sua visão do Irã', explicou Javenfekr.

Segundo ele, Ahmadinejad mantém relação com o líder supremo, o poderoso aiatolá Ali Khamenei, que o chama para reuniões.

Para o analista Mohamad Marandi, decano da Faculdade de Estudos do Mundo da Universidade de Teerã, a estratégia de Ahmadinejad é 'inteligente' e seu silêncio 'tem efeito positivo e o ajuda a projetar uma boa imagem'.

Marandi é um dos que acreditam que é provável que o ex-presidente esteja planejando concorrer às próximas legislativas, dentro de dois anos, já que é o que 'corresponde ao seu espírito'.

O analista político conservador Amir Mohebian disse ao jornal 'Sharg' que o ex-presidente 'poderia considerar as próximas eleições como uma oportunidade para chegar à presidência do Parlamento e, de lá, criar obstáculos para o governo e finalmente voltar a ser presidente'.

No mesmo sentido fala o site conservador 'Farda News', que publicou recentemente que Ahmadinejad 'está preparando listas para concorrer em Teerã - para o que já teria 150 candidatos - e em outras grandes cidades'.

Sejam quais forem seus planos, sua capacidade de movimento parece limitada.

O projeto carro-chefe que previu realizar, a Universidade Iraniana, ficou no limbo após receber vários golpes do novo Executivo, que caçou sua licença para funcionar e o prédio público que Ahmadinejad usou antes de deixar a presidência, e foi obrigado a devolver os mais de US$ 5 milhões destinados a sua criação.

A reconciliação com o movimento que o apoiou, mas do qual se distanciou durante seu segundo mandato, não parece por enquanto provável e vários de seus membros de maior destaque continuam se referindo a ele e seus seguidores como a 'corrente desviada' e o acusam de dividir ao campo conservador e pavimentar assim o triunfo de Rohani nas últimas presidenciais.

Além disso, vários dos colaboradores mais próximos de Ahmadinejad tiveram nos últimos meses problemas com a Justiça.

Seus assessores, Bahman Sharifzadeh e Abdolreza Davari, foram sancionados recentemente - o primeiro, acusado de corrupção e, o segundo, de 'divulgar falsidades' em um meio afim a Ahmadinejad.

Segundo diversos veículos de imprensa, Davari foi um dos principais envolvidos na criação do HAMA e na difusão de propaganda a seu favor e contra Rohani.

Mohamad Rujanian, ex-diretor do Comitê de Transportes, e Saiz Mortazavi, que dirigiu a Previdência Social, são outros de seus mais próximos colaboradores acusados nos últimos meses por crimes de corrupção.

O próprio Ahmadinejad foi chamado em novembro de 2013 e em janeiro deste ano a comparecer a um tribunal para responder por diversas acusações, mas preferiu ficar em casa. Em silêncio. EFE

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.