Mundo

Polícia reprime manifestantes em Buenos Aires e detém 8 pessoas

Durante a operação, policiais levaram pedradas dos manifestantes, disse à imprensa o ministro de Segurança da Cidade, Waldo Wolff

Argentina: manifestações seguem em Buenos Aires por causa das medidas econômicas de Milei (JUAN MABROMATA/AFP)

Argentina: manifestações seguem em Buenos Aires por causa das medidas econômicas de Milei (JUAN MABROMATA/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 10 de abril de 2024 às 18h13.

Última atualização em 10 de abril de 2024 às 18h23.

Oito pessoas foram detidas e pelo menos seis ficaram feridas durante uma manifestação de organizações sociais em Buenos Aires contra as medidas econômicas do presidente argentino, Javier Milei, e reivindicando comida para os refeitórios populares.

Durante a operação, policiais levaram pedradas dos manifestantes, disse à imprensa o ministro de Segurança da Cidade, Waldo Wolff.

Elon Musk vai se encontrar com Javier Milei em meio à briga com STF no Brasil

Um jovem ficou ferido após cair de frente no chão ao ser contido pela polícia e pelo menos seis pessoas ficaram feridas, constaram jornalistas da AFP.

"Estávamos nos manifestando pela emergência alimentar, social, a falta de alimentos nos refeitórios e o que recebemos foram paus e tiros", disse à AFP Martín Velázquez, de 46 anos, que trabalha em um refeitório popular.

Refeitórios populares

A ajuda aos refeitórios populares foi suspensa em dezembro. O governo assegura buscar uma maneira de ajudar os mais necessitados de forma direta e sem intermediários, mas não foi estabelecido um sistema de transição.

Por volta do meio-dia, os manifestantes interromperam um trecho da Avenida 9 de Julho, principal via do centro de Buenos Aires, até serem dispersos pela polícia com balas de borracha, gás lacrimogêneo e canhões com jatos d'água.

Uma das primeiras medidas do governo de Milei, que assumiu a Presidência em dezembro de 2023, foi o "protocolo anti-piquete", em alusão aos cortes viários como forma de protesto, que proíbe que os manifestantes interrompam o trânsito.

"Quando vimos que o diálogo era infrutífero porque não havia nenhuma intenção de parar de cortar as avenidas, o que fizemos foi começar a agir para desocupar a [Avenida] 9 de Julho", disse ao canal LN+ Diego Kravetz, secretário de Segurança da Cidade de Buenos Aires e Chefe da Polícia.

Protestos na Argentina

O protesto, convocado pela União de Trabalhadores da Economia Popular (UTEP) e pela Unidade Piqueteira, começou às 11h, quando centenas de pessoas se concentraram nas imediações do antigo Ministério de Desenvolvimento Social local simbólico de manifestações sociais , hoje Secretaria da Infância, Adolescência e Família.

Quatro meses depois da chegada do novo governo ultraliberal, as manifestações nas ruas são cotidianas em Buenos Aires, quando o país atravessa uma crise econômica severa, com 276% de inflação anual e cerca de metade da população mergulhada na pobreza.

Os manifestantes também denunciam uma onda de demissões anunciada na semana passada, que afeta 15 mil trabalhadores da administração federal.

Milei mantém um apoio popular que, segundo diferentes institutos de pesquisa, oscila entre 43% e 57%, alguns pontos abaixo da época em que foi empossado.

Acompanhe tudo sobre:Javier MileiArgentinaelon-musk

Mais de Mundo

Qual seria o impacto do programa econômico de Donald Trump nos EUA?

Brasil não tem nenhuma cidade no ranking das melhores do mundo; veja lista

Em Pequim, Amorim assina proposta com a China sobre guerra na Ucrânia

Coreia do Sul, China e Japão farão primeiro encontro desde 2019

Mais na Exame