Polícia dos EUA atira em homem negro na frente dos filhos

A ação desencadeou protestos durante a noite, que foram reprimidos pela polícia

Um policial atirou nas costas de um homem negro em uma cidade do norte dos Estados Unidos, reacendendo os protestos contra o racismo e a violência policial que abalaram o país nos últimos meses. 

Dois policiais foram suspensos e uma investigação foi aberta nesta segunda-feira (24) depois que Jacob Blake, de 29 anos, foi gravemente ferido nas costas em Kenosha, Wisconsin, desencadeando distúrbios e a imposição de um toque de recolher.

A vítima passou por uma cirurgia de emergência e foi hospitalizada em uma unidade de terapia intensiva na cidade de Milwaukee, cerca de 40 quilômetros ao norte de onde ocorreram os fatos na tarde de domingo.

O incidente, ocorrido três meses depois de o afro-americano George Floyd ser sufocado por um policial branco em Minneapolis, no estado vizinho de Minnesota, foi fortemente condenado pelo candidato democrata à presidência Joe Biden.

O Departamento de Justiça de Wisconsin informou que sua divisão de investigação criminal apurava o caso. “Os policiais envolvidos receberam uma suspensão administrativa”, disse ele em nota.

Um vídeo do incidente gravado com um celular mostra que o homem negro é seguido por dois policiais armados enquanto se dirige a um veículo cinza. Quando ele abre a porta e tenta sentar no banco do motorista, um dos policiais o agarra pela camisa e atira várias vezes em suas costas.

As autoridades não informaram se o outro policial também atirou.

Ben Crump, advogado dos direitos civis que representa a família de Floyd e assumiu a defesa de Blake, disse que os três filhos da vítima estavam no carro e que o homem estava apenas tentando “acalmar” um incidente doméstico.

“Quando ele foi ver como seus filhos estavam, a polícia atirou nele várias vezes nas costas à queima-roupa”, disse em comunicado.

“Eles ficarão traumatizados para sempre. Não podemos permitir que os policiais violem seu dever de nos PROTEGER. Nossos filhos merecem coisa melhor!” tuitou mais cedo.

“Basta”

A polícia informou que os disparos foram registrados durante o atendimento de um incidente doméstico por volta das 17h11 (locais) de domingo. 

“E esta manhã, a nação acorda mais uma vez com dor e indignação por outro americano negro vítima da força excessiva”, disse Biden, adversário de Donald Trump na eleição de 3 de novembro.

A palavra “Basta” em um fundo preto acompanha a mensagem do ex-vice-presidente Barack Obama, o primeiro presidente negro dos Estados Unidos.

Foto que seria de Jacob Blake com seus filhos, segundo a imprensa local e o advogado de direitos civis Ben Crump Foto que seria de Jacob Blake com seus filhos, segundo a imprensa local e o advogado de direitos civis Ben Crump Foto que seria de Jacob Blake com seus filhos, segundo a imprensa local e o advogado de direitos civis Ben Crump
Foto que seria de Jacob Blake com seus filhos, segundo a imprensa local e o advogado de direitos civis Ben Crump

Foto que seria de Jacob Blake com seus filhos, segundo a imprensa local e o advogado de direitos civis Ben Crump
Foto que seria de Jacob Blake com seus filhos, segundo a imprensa local e o advogado de direitos civis Ben Crump (Twitter/Reprodução)

O governador de Wisconsin, o democrata Tony Evers, instou o Legislativo estadual, controlado pelos republicanos, a debater um pacote de projetos de lei relacionado à polícia que apresentou no início deste ano.

Protestos após a morte de Jacob Blake Protestos após a morte de Jacob Blake

Protestos após a morte de Jacob Blake (Brandon Bell/Getty Images)

“Devemos começar a longa, mas importante jornada para garantir que nosso Estado e nosso país comecem a cumprir nossas promessas de igualdade e justiça”, disse ele em uma mensagem de vídeo. 

Em Kenosha, houve manifestações e confrontos com a tropa de choque na noite de domingo, de acordo com imagens divulgadas pelo Milwaukee Journal Sentinel. Após o início de incêndios, as autoridades locais declararam toque de recolher.

A poderosa American Civil Liberties Union (ACLU) denunciou o que aconteceu a Blake como “mais um ato nojento de brutalidade policial”.

“O fato de que uma violência policial como essa – os assassinatos de Breonna Taylor, George Floyd, Eric Garner e muitos outros – tenha se tornado algo comum mostra que a própria instituição policial americana está podre em sua essência”, observou a ACLU no Twitter.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.