Mundo

Polícia do Equador prende dois suspeitos do assassinato de promotor antimáfia

César Suárez foi morto a tiros enquanto dirigia seu carro por um bairro no sudoeste do país

Equador: país vive sob uma elevada onde violência com a guerra entre o presidente Noboa e traficantes (AFP Photo)

Equador: país vive sob uma elevada onde violência com a guerra entre o presidente Noboa e traficantes (AFP Photo)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 18 de janeiro de 2024 às 13h57.

Dois homens suspeitos de envolvimento no assassinato de um promotor antimáfia equatoriano na quarta-feira em Guayaquil foram presos, informou o comandante da polícia, general César Zapata, nesta quinta, 18.

"Prendemos 2 suspeitos envolvidos no assassinato do promotor César Suárez, em #GYE (Guayaquil, ndr), após procedimentos investigativos que nos permitiram identificar a suposta participação no ato criminoso", indicou o delegado na rede social X.

Ele acrescentou que, entre os "indícios" encontrados pelos agentes, constam uma espingarda, duas pistolas, carregadores e dois veículos.

Em imagens divulgadas pelo comandante, também são vistos uniformes de instituições públicas e outras peças de vestuário.

O promotor Suárez foi morto a tiros na quarta-feira quando dirigia seu veículo por um bairro do porto de Guayaquil (sudoeste). Posteriormente, a polícia encontrou um veículo queimado e que tem relação com o crime.

Suárez investigava um recente ataque armado contra uma emissora de televisão em Guayaquil, no contexto de uma sangrenta escalada da violência por parte de organizações de tráfico de drogas, à qual o governo declarou guerra.

"Diante do assassinato do nosso camarada César Suárez (...) serei enfática: grupos do crime organizado, criminosos, terroristas não impedirão nosso compromisso com a sociedade equatoriana", expressou então a procuradora-geral Diana Salazar, em um vídeo divulgado na rede X.

Investigações antimáfia

A espetacular invasão durante a transmissão de um programa do canal TC, no dia 9 de janeiro, chocou o país e levou o presidente Daniel Noboa a declarar um "conflito armado interno". O presidente ordenou que os militares "neutralizassem" cerca de 20 gangues de traficantes, por ele chamadas de "terroristas".

Desde então, tanques militares patrulham o país e entraram nos presídios para recuperar o controle. Nesta quinta-feira, imagens divulgadas pela imprensa local mostram uma dezena de veículos blindados estacionados em frente à prisão de Guayaquil. Posteriormente, foi anunciado que os militares entraram no prédio.

Segundo a polícia, duas pessoas foram assassinadas na madrugada em diferentes bairros da cidade.

O promotor Suárez liderou as investigações que revelaram a infiltração de máfias no sistema judicial e escândalos de corrupção na compra de material médico durante a pandemia da covid-19.

Empresário deportado

Entre os condenados em 2021 neste último caso estava o empresário Daniel Salcedo, que cumpriu apenas dois dos 13 anos a que foi condenado e se beneficiou de uma decisão judicial que lhe concedeu liberdade.

Também envolvido no caso "Metástase", que revelou em dezembro os vínculos de um poderoso traficante de drogas com juízes, procuradores, policiais e um ex-diretor da administração penitenciária, Salcedo foi deportado na quarta-feira do Panamá, após um alerta vermelho lançado pela Interpol.

Após o assassinato de Suárez, o ministro da Defesa, Gian Carlo Loffredo, expressou o "forte compromisso do governo nacional em apoiar a administração da Justiça", acrescentou o ministro.

A procuradora-geral também denunciou ameaças de morte contra ela por parte de um dos líderes da gangue "Los Lobos", que fugiu da prisão em meio aos tumultos da semana passada.

Acompanhe tudo sobre:EquadorTiroteiosAssassinatos

Mais de Mundo

Milei se reunirá com Macron em viagem à França para abertura dos Jogos Olímpicos

'Tome chá de camomila', diz Maduro após Lula se preocupar com eleições na Venezuela

Maduro deve aceitar resultado das eleições se perder, diz ex-presidente argentino

Macron só vai nomear primeiro-ministro após Jogos Olímpicos

Mais na Exame