Mundo

Personalidades protestam de quipá contra antissemitismo em Berlim

Membro do governo tinha aconselhado judeus a não usarem o quipá nas ruas, declaração que desatou críticas entre a comunidade judaica em Israel

Após polêmica, governo alemão acabou estimulando a população a usar o quipá neste Al-Quds (Fabrizio Bensch/Reuters)

Após polêmica, governo alemão acabou estimulando a população a usar o quipá neste Al-Quds (Fabrizio Bensch/Reuters)

A

AFP

Publicado em 1 de junho de 2019 às 16h51.

Várias personalidades políticas, algumas trajando um quipá na cabeça, participaram de uma manifestação contra o antissemitismo, em um contexto de debate na Alemanha sobre o uso deste acessório.

Diversas autoridades locais de Berlim, membros do Bundestag, assim como o embaixador de Israel na Alemanha, Jeremy Issacharoff, e o comissário do governo de combate ao antissemitismo, Felix Klein, participaram da manifestação, na qual viam-se bandeiras israelenses, no centro da capital.

Esta manifestação foi organizada no Dia Mundial do Al-Quds - evento anual de protesto contra a anexação israelense de Jerusalém Oriental.

O Al-Quds também foi celebrado por centenas de manifestantes em Berlim, que pediram boicotes ao governo de Israel e ergueram bandeiras palestinas e libanesas.

Não houve incidentes entre ambas manifestações, separadas por um aparato policial significativo.

Usar o quipá em espaços públicos tem sido alvo de um intenso debate há uma semana na Alemanha.

Klein tinha aconselhado, em 25 de maio, os judeus a não usarem o quipá nas ruas, declaração que desatou críticas entre a comunidade judaica em Israel. Diante das reações locais e internacionais, o comissário voltou atrás.

Durante a semana, o governo alemão acabou estimulando a população a usar o quipá neste Al-Quds.

A ministra da Família, Franziska Giffey (SPD), pediu neste sábado, no jornal Tagesspiegel, um compromisso crescente da sociedade civil contra o antissemitismo na Alemanha.

Apesar de décadas de arrependimento pelo Holocausto, os ataques a judeus têm crescido na Alemanha, bem como em outros países europeus. Os atos criminosos de caráter antissemita aumentaram 20% na Alemanha no ano passado, segundo o Ministério do Interior.

Acompanhe tudo sobre:AlemanhaBerlimIsraelJudeus

Mais de Mundo

Governo Trabalhista do Reino Unido apresenta novo pacote de leis

Campanha republicana defende posse de armas após tentativa de assassinato de Trump

Primeira pesquisa após atentado mostra Biden e Trump tecnicamente empatados

Rússia e Ucrânia trocam 190 prisioneiros de guerra em acordo mediado pelos Emirados Árabes

Mais na Exame