Pequim suspende aulas, casamentos e funerais para conter covid-19

Os temores de que Pequim possa entrar em confinamento em breve já fizeram as famílias correrem para estocar comida, levando alguns supermercados à escassez
 (Getty Images/GREG BAKER)
(Getty Images/GREG BAKER)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 28/04/2022 20:48 | Última atualização em 28/04/2022 20:48Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Em um esforço para evitar um lockdown semelhante ao imposto a Xangai, Pequim está fechando escolas e suspendendo funerais e casamentos. A cidade de 22 milhões de habitantes ordenou ordenado três sequências de testes obrigatórios massivos esta semana e está recrudescendo as restrições pela covid-19.

Os temores de que Pequim possa entrar em confinamento em breve já fizeram as famílias correrem para estocar comida, levando alguns supermercados à escassez.

Quer saber tudo sobre a política internacional? Assine a EXAME e fique por dentro.

Um novo surto de coronavírus levantou preocupações de que a capital possa se tornar, depois de Xangai, o próximo grande centro urbano do país a suspender a vida para conter a disseminação da variante Ômicron.

Nesta quinta-feira, 28, a Secretaria de Educação da cidade ordenou que todas as escolas suspendam as aulas a partir de sexta-feira e assinalou que ainda não determinou quando retornarão. Também não está claro se as escolas oferecerão aulas online ou se permitirão que os alunos prestes a fazer exames cruciais regressem às salas de aula.

Pequim anunciou 50 novos contágios nesta quinta-feira, dois deles assintomáticos, e levou o total da última onda de infecções a cerca de 150. Os estudantes representam mais de 30% do total de casos, com grupos vinculados a seis escolas e dois jardins de infância no Distrito de Chaoyang, em Pequim.

Também nesta quinta-feira, foi ordenado aos moradores de Chaoyang que permaneçam confinados. Algumas clínicas e escritórios foram fechados.

Pequim tem atuado com mais rapidez do que muitas cidades chinesas para impor restrições enquanto o número de casos segue ainda baixo e a escala de surto de coronavírus continua contornável.

A meta é evitar os tipos de medidas drásticas impostas em Xangai onde a variante Ômicron altamente transmissível atingiu a cidade de 25 milhões de habitantes.

As restrições que mantêm muitos residentes de Xangai confinados em suas casas chegaram à quarta semana e todas as escolas migrando para as aulas online desde o mês passado.

As medidas rígidas causaram revolta e frustração com a escassez de alimentos e suprimentos básicos, a incapacidade dos hospitais de lidar com outras emergências de saúde e más condições em locais centralizados de quarentena para onde qualquer pessoa que tenha testado positivo ou tido contato com alguém doente deve ser enviada.

Rara revolta pública

A política de tolerância zero à covid-19 da China provocou rara raiva pública em um ano importante para o presidente Xi Jinping, por medidas que parecem surreais para grande parte do mundo exterior que escolheu viver com o vírus, mesmo quando as infecções se espalham.

Espera-se que Xi assegure um terceiro mandato de liderança no segundo semestre e as autoridades gostariam de evitar uma repetição na capital das cenas em Xangai, onde alguns moradores se inclinaram para fora de suas janelas para bater em panelas e frigideiras com raiva enquanto agentes em trajes de proteção instalavam cercas ao redor de suas casas.

Autoridades chinesas disseram repetidamente que restrições severas à covid, incluindo bloqueios prolongados, são necessárias para salvar o maior número possível de vidas e evitar que o sistema de saúde fique sobrecarregado.

Em Taiwan democraticamente governada, que Pequim afirma pertencer à China, as autoridades estão gradualmente diminuindo as restrições, mesmo quando os casos diários de covid tenham superado 10 mil pela primeira vez. Apenas sete pessoas morreram de coronavírus este ano.