Pelo menos 16 morrem no dia da posse presidencial na RCA

Catherine Samba-Panza assumiu o poder com um apelo para as milícias deporem as armas e acabar com a escalada da violência

Bangui - Pelo menos 16 pessoas morreram em confrontos na República Centro-Africana nesta quinta-feira, enquanto uma nova presidente interina, Catherine Samba-Panza, assumia o poder com um apelo para as milícias deporem as armas e, assim, acabar com a escalada da violência inter-religiosa.

Quase 1 milhão de pessoas, ou um quarto da população da ex-colônia francesa, deixaram suas casas por causa dos conflitos que começaram quando rebeldes armados do grupo Seleka, na maioria muçulmanos, tomaram o poder em um golpe de Estado em março.

Grupos cristãos de autodefesa, conhecidos como "antibalaka" (antimachete), passaram a pegar em armas contra o Seleka. A Organização das Nações Unidas estima que a violência na base da retaliação de uns contra os outros tenha causado a morte de mais de 2.000 pessoas desde março.

Uma força de intervenção francesa e milhares de soldados de uma força de paz africana não conseguiram deter as matanças, e nos últimos dias a situação ficou pior na capital, Bangui, e no noroeste do país. Pelo menos 16 morreram na capital nesta quinta-feira, segundo a Cruz Vermelha.

Catherine, prefeita de Bangui escolhida na segunda-feira como presidente interina por uma Assembleia de transição como parte de um plano para restaurar a ordem, disse que está assumindo o leme de um país em caos.

"É urgente que a autoridade e a segurança do Estado sejam restabelecidas no país inteiro", afirmou ela no discurso inaugural, na presença do ministro das Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, e líderes regionais.

"Peço aos antibalaka que mostrem patriotismo e deponham suas armas. Esta permanente desordem não será tolerada", afirmou. Ela assumiu o poder depois que Michel Djotodia, ex-líder do Seleka, renunciou em 10 de janeiro, após intensa pressão internacional.

Centenas de saqueadores invadiram áreas muçulmanas de Bangui nesta quinta-feira, queimando casas e carregando móveis e telhados de metal. O presidente da Cruz Vermelha no país, Antoine Mbao Bogo, disse que o bairro de PK12, no norte, era o epicentro do caos.

"Há cenas de xenofobia, em que as pessoas esfaqueiam umas às outras porque são de grupos étnicos diferentes. Houve 16 mortes de maneira atroz", disse ele à Reuters.

O ministro francês da Defesa, Jean-Yves Le Drian, declarou nesta quinta-feira que forças internacionais enfrentam uma tarefa difícil para encerrar o profundo ciclo de violência.

"Há um nível de ódio inacreditável. Não há dúvida de que nós subestimamos o grau de ódio, o desejo de vingança entre o Seleka e as milícias antibalaka", disse ele ao canal de TV francês iTele.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.