Mundo

Rússia e Turquia iniciam patrulha para cessar conflitos na Síria

Um acordo intermediado por Putin determinou a retirada das milícias curdas do bolsão turco na Síria, o que deve trazer alguma estabilidade à região

Síria: a Turquia espera criar uma “zona de segurança” em território sírio (Huseyin Aldemir/Reuters)

Síria: a Turquia espera criar uma “zona de segurança” em território sírio (Huseyin Aldemir/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 1 de novembro de 2019 às 06h20.

Última atualização em 1 de novembro de 2019 às 06h49.

Um acordo histórico fechado entre o presidente turco Recep Tayyip Erdogan e seu par russo, Vladimir Putin, deve trazer maior estabilidade à fronteira da Síria, palco de combates sangrentos nas últimas semanas.

A partir desta sexta-feira, patrulhas de ambos os países passarão a vistoriar a retirada de forças curdas no norte Síria, espaço que é reivindicado por Erdogan como uma “zona segura” na fronteira com a Turquia.

O anúncio das patrulhas conjuntas foi feito pelo presidente turco na última terça-feira. Conforme o acordo alcançado com a Rússia, a milícia curda das Unidades de Proteção Popular (YPG) tinha até aquele dia para retirar suas tropas da fronteira com a Turquia, o que será vistoriado a partir desta sexta-feira. 

Também na última terça-feira, o ministro da Defesa russo, Sergei Shogu, garantiu que as milícias curdas havia concluído a retirada na região. “O lado russo nos disse que 34 mil membros da organização terrorista deixaram a área de 30 km. Embora os dados que temos disponíveis indiquem que o sucesso não foi completo, daremos resposta adequada após nossas descobertas no terreno “, afirmou Erdogan, reivindicando uma vistoria no local.

O presidente turco ainda declarou que o país poderá retomar os confrontos caso a evacuação não tenha sido completa.

Catalogadas como terroristas pelo governo Turco, as forças curdas na síria combatiam o Estado Islâmico (EI) em conjunto com os Estados Unidos até o presidente norte-americano, Donald Trump, decidir retirar seu país do conflito internacional. Foi uma decisão fortemente criticada pela comunidade internacional e por opositores nos EUA, e abriu uma nova frente de tensão internacional.

Na quarta-feira, a tensão piorou: o governo turco repudiou  a decisão da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos de reconhecer o genocídio armênio e convocou o embaixador americano na Turquia para expressar rejeição à iniciativa, vista como uma punição pela operação militar na Síria.

Formada por uma população de cerca de 35 milhões de pessoas espalhadas entre Síria, Turquia, Iraque, Irá e Armênia, os curdos são, dentro da Síria, a maior nação apátrida do mundo. Na Síria, as Unidades de Proteção Popular curdas são um movimento separatista que, além de combater o EI, querem formar um país curdo. Na Turquia, cerca de 15% da população é curda, e os anseios separatistas fazem com que o governo turco considere as milícias curdas como forças terroristas. 

Na prática, a retirada das tropas estadunidenses da fronteira da Síria foi um sinal verde para o os turcos atacarem os curdos, que ficaram sem a proteção dos até então aliados norte-americanos. Mais de 400 pessoas, incluindo civis, morreram nos conflitos das últimas semanas. Com o acordo obtido pela Rússia, a expectativa é que os combates sejam cessados 一 ao menos por enquanto. 

Acompanhe tudo sobre:Exame HojeGuerra na SíriaRússiaSíriaTayyip ErdoganTurquiaVladimir Putin

Mais de Mundo

Governo Lula se diz irritado com falas de Maduro, mas evita responder declarações

Netanyahu discursa no Congresso americano sob protestos de rua e boicote de dezenas de democratas

Em discurso a irmandade negra, Kamala pede ajuda para registrar eleitores e mobilizar base a votar

Grupo armado sequestra 13 pessoas perto da fronteira da Colômbia com a Venezuela

Mais na Exame