A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Para UE, monitorar segurança dos novos tipos vacinas será grande desafio

Menor confiança nos governos e a interferência política podem alimentar dúvidas durante a vacinação contra a Covid e dificultar a implementação

O monitoramento da segurança de vacinas contra a Covid-19, especialmente as que contam com novas tecnologias como o RNA mensageiro, será um dos maiores desafios quando estiverem amplamente distribuídas, de acordo com a nova diretora executiva da agência de medicamentos da Europa.

Os resultados positivos não “eliminarão a necessidade de monitorar com muito cuidado essas novas vacinas, particularmente as duas primeiras que parecem estar surgindo”, disse em entrevista Emer Cooke, que assumiu o comando da Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) na segunda-feira. “Não tínhamos vacinas mRNA antes” e, quando estiver disponível para uma grande população, “precisamos ter certeza” de que a segurança permanecerá sob revisão.

Cooke, a primeira mulher a comandar a EMA em seus 25 anos de história, assume a liderança em um momento crucial, enquanto a agência lida com a pandemia e com o Brexit. A agência também avalia novos produtos, como as vacinas mRNA, que essencialmente ensinam as células a criarem sua própria proteção e que nunca foram aprovadas para uso em humanos.

O regulador iniciou três revisões aceleradas para possíveis vacinas contra a Covid: da Pfizer, da AstraZeneca e da Moderna, com a primeira aprovação esperada em breve. Na segunda-feira, a Moderna disse que sua vacina mRNA contra a Covid-19 mostrou 94,5% de eficácia em análise preliminar de um grande ensaio clínico em estágio final, superando as rivais Pfizer e BioNTech que, na semana passada, foram as primeiras farmacêuticas na corrida a divulgarem dados de testes avançados. A vacina mRNA da Pfizer-BioNTech mostrou mais de 90% de eficácia na prevenção da doença. A Astra e a Universidade de Oxford também podem ter resultados preliminares nas próximas semanas.

Embora muitas perguntas permaneçam sobre a longevidade da proteção e como as vacinas podem ser facilmente implantadas globalmente, Cooke, que substitui Guido Rasi na EMA, disse que está otimista com os dados e esperançosa de que resultados sólidos ajudem a aceitação. Os defensores de vacinas estão preocupados com o fato de que a menor confiança nos governos, a interferência política e a busca para criar uma vacina em tempo recorde possam alimentar dúvidas durante a vacinação contra a Covid e dificultar a implementação.

“É uma das coisas que me preocupa”, disse. “Mas, com resultados promissores como os que estamos vendo no momento, deve ser mais fácil explicar os benefícios das vacinas.”

Outra prioridade é esclarecer sua postura em relação à FDA, que regula fármacos e alimentos nos EUA, sobre uma referência de eficácia para vacinas. Ao contrário de sua contraparte nos EUA, a EMA não quis estabelecer uma meta sobre a eficácia de uma vacina para conceder aprovação, optando por esperar até que mais dados estejam disponíveis. A agência americana disse que qualquer vacina teria de prevenir a doença ou diminuir a gravidade em pelo menos 50% dos vacinados. Um artigo sobre a posição da EMA será publicado em breve, disse Cooke.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também