Para Obama, EUA estão prontos para enfrentar tempestade

''Esta será uma grande e difícil tempestade (...). Tenho certeza que estamos preparados'', disse Obama em uma declaração na Casa Branca

Washington – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, advertiu nesta segunda-feira que o furacão Sandy, que ganhou força sobre a costa leste do país, será ”uma grande e difícil tempestade” com possíveis ”consequências fatais”, mas confiou na capacidade das autoridades para enfrentá-lo.

”Esta será uma grande e difícil tempestade (…). Tenho certeza que estamos preparados”, disse Obama em uma declaração na Casa Branca.

O líder, que cancelou seus atos de campanha de hoje e amanhã para supervisionar da Casa Branca a evolução do furacão, calculou que ”o centro da tempestade tocará terra em algum momento desta noite”.

”Haverá milhões de pessoas afetadas”, alertou Obama, lembrando que assinou declarações de estados de emergência para todos os estados afetados e garantiu que ”neste momento não há necessidades para cobrir” em nenhum deles.

”O fundamental agora é assegurar que o povo siga as instruções”, ressaltou. ”Por favor, escutem o que dizem os funcionários estaduais e locais. Se lhes pedem para sair de suas casas, não atrasem, não parem, não questionem”.

”Esta é uma tempestade séria com potenciais consequências fatais se as pessoas não atuarem rapidamente”, acrescentou.

Obama fez a declaração após receber um relatório detalhado de responsáveis da Agência Federal de Gestão de Emergências (Fema) e do Centro Nacional de Furacões (NHC), e após falar por telefone com os governadores dos estados em alerta.

”Tenho certeza que os recursos estão preparados para desdobrar uma resposta eficaz depois da tempestade”, afirmou o presidente, reiterando que qualquer dúvida dos cidadãos ao obedecer ordens porá as equipes de emergência em perigo e causará ”fatalidades que poderiam ter sido evitadas”.

No entanto, indicou que os transportes estarão retidos ”durante muito tempo” e que muitos americanos estarão sem eletricidade ”vários dias”, até que os fortes ventos remetam e permitam às companhias elétricas reparar o serviço.

Suporte a Exame, por favor desabilite seu Adblock.