Para ministro grego, ajuda à Irlanda não basta para acalmar mercados

Segundo Papaconstantinou, investidores ainda não se convenceram de que há soluções

Frankfurt - Mesmo que a Irlanda decida apelar para a ajuda da União Europeia (UE), isso não será suficiente para acalmar os mercados, que esperam o anúncio de um mecanismo anticrise permanente do bloco, estimou nesta sexta-feira o ministro grego das Finanças, George Papaconstantinou.

"Mesmo se a Irlanda aceitar ser ajudada, isso não impedirá que a crise da dívida pública continua na Eurozona", disse o ministro.

"Os mercados continuarão se preocupando, já que não estão convencidos de que haja soluções" para esta crise a longo prazo.

"A UE deve debater (a criação) de um mecanismo de ajuda permanente", acrescentou.

Seu par alemão, Wolfgang Schauble, também considerou que "quanto mais cedo determinarmos" os termos de um mecanismo, mais cedo "os mercados se tranquilizarão".

Reiterando a posição da Alemanha, Papaconstantinou considerou que o envolvimento de investidores privados num futuro mecanismo de ajuda permanente da UE "faria sentido".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.