Mundo

Os países onde o casamento gay é legalizado em um mapa

Nesta sexta, a Alemanha se tornou o 23º país do mundo a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Veja um panorama dos diretos da comunidade LGBTI

Casal comemora legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo na Alemanha: país é o 23º do mundo a fazer esse movimento (Fabrizio Bensch/Reuters)

Casal comemora legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo na Alemanha: país é o 23º do mundo a fazer esse movimento (Fabrizio Bensch/Reuters)

Gabriela Ruic

Gabriela Ruic

Publicado em 30 de junho de 2017 às 11h06.

Última atualização em 30 de junho de 2017 às 14h29.

São Paulo – Em um movimento histórico, a Alemanha se tornou o 23º país do mundo a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A aprovação aconteceu nesta sexta-feira (30) com 393 votos a favor e 226 contra, incluindo a manifestação contrária da chanceler Angela Merkel. A proposta foi colocada em votação às pressas pela oposição depois de ela ter dito nesta semana que cada parlamentar deveria avaliar a questão “segundo a sua consciência”.

Essa declaração foi lida pela oposição, liderada pelo maior rival da chanceler nas eleições federais que acontecem em setembro, Martin Schulz, como uma retração da chanceler de sua posição contrária à legalização, uma manifestação de que seu partido, o conservador União Democrata-Cristã (CDU), não impediria essa votação.

A questão não era um consenso no CDU e isso ficou demonstrado nos votos. Enquanto Volker Kauder, líder do partido no parlamento, votou contra a legalização por razões pessoais, declarou respeitar opiniões diferentes de seus companheiros.

Na contramão da posição defendida pela cúpula do CDU, Khan Marco Luczak se manifestou em apoio à proposta e disse que “o respeito, o amor e a convivência são valores tradicionais que devem ser defendidos pelos conservadores. ”

Para Merkel, a estratégia se revelou positiva. Ao deixar o caminho aberto para que o parlamento decidisse a questão, a chanceler conseguiu se manter fiel às suas posições sem que seja vista como inimiga, mas como a defensora de todos.

Resta saber o impacto que isso terá nas eleições que estão por vir. Na Alemanha, o grupo parlamentar que conseguir garantir a maioria das cadeiras é o responsável pela escolha do nome que ocupará o posto de primeiro-ministro.

Na preferência dos eleitores, Merkel aparece com uma vantagem folgada ante Schulz, segundo pesquisa recente divulgada pela emissora alemã ZDF. 57% dos entrevistados revelaram preferir a atual chanceler contra 33% a favor do político do Partido Social-Democrata (SPD).

Direitos LGBTI no mundo

O primeiro país do mundo a reconhecer esse casamento foi a Holanda, que o fez em 2000. Desde então, países de diferentes regiões vem debatendo o assunto e, aos poucos, a legalização vem se tornando uma realidade. Na América Latina, o pioneirismo foi da Argentina, em 2010.

O mapa abaixo, produzido por EXAME.com com base em dados levantados pela Associação Internacional das Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexuais, mostra o panorama do casamento e das uniões civis entre pessoas do mesmo sexo mundo afora. Veja abaixo.

Acompanhe tudo sobre:AlemanhaCasamentoDireitos HumanosGaysLGBT

Mais de Mundo

Reino Unido relança sua relação com a Europa em reunião de alto nível

Obama acredita que Biden deveria reconsiderar futuro de sua candidatura, diz jornal

Eleições nos EUA: Trump fará discurso às 21h09 e deve falar por 55 minutos na Convenção Republicana

Eleições Venezuela: Maria Corina Machado, lider da oposição, denuncia ataque; veja vídeo

Mais na Exame