Oposição síria se reúne para eleger líder e pedir armas

Incapacidade da oposição em se unir torna os países ocidentais relutantes em enviar armas

Amã - A dividida oposição síria se reúne nesta quinta-feira sob pressão para nomear um novo líder e provar a seus apoiadores árabes e ocidentais que é digna de confiança para receber armas avançadas a fim de reagir à ofensiva movida pelo presidente Bashar al-Assad.

A incapacidade da oposição em se unir torna os países ocidentais relutantes em enviar armas, embora nos últimos meses os governos dos Estados Unidos e de vários países europeus tenham anunciado a intenção de ajudar os rebeldes sírios contra o avanço das forças governamentais.

Há meses a Coalizão Nacional Síria está sem um líder, já que o seu dirigente anterior renunciou devido a discordâncias sobre a possibilidade de diálogo com o governo de Assad. No mês passado, governos que apoiam a oposição precisaram intervir na coalizão para evitar sua desintegração.

"A melhor solução é criar um conselho civil-militar e se transferir para a Síria, com a coalizão permanecendo como uma assembleia", disse Kamal al-Labwani, membro graduado de um bloco liberal da coalizão que participa do encontro desta quinta-feira em Istambul.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.