Mundo

Oposição de Honduras propõe recontagem de votos ou segundo turno

As autoridades demoraram uma semana para contar os votos, processo que a OEA acredita estar marcado por irregularidades e erros

Salvador Nasralla, candidato opositor ao governo de Honduras, discursa para apoiadores durante ato em Tegucigalpa (Henry Romero/Reuters)

Salvador Nasralla, candidato opositor ao governo de Honduras, discursa para apoiadores durante ato em Tegucigalpa (Henry Romero/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 6 de dezembro de 2017 às 09h53.

Tegucigalpa - A oposição de Honduras, que está se chocando com o presidente Juan Orlando Hernández devido a uma eleição presidencial polêmica, propôs na terça-feira que um segundo turno seja realizado se as autoridades não realizarem uma recontagem total dos votos.

Salvador Nasralla, apresentador de televisão e candidato opositor que declarou vitória na votação de 26 de novembro depois que resultados iniciais o mostraram à frente de Hernández, está envolvido em uma disputa acirrada com relação à contagem desde que a apuração foi interrompida e mais tarde, ao ser retomada, passou subitamente a favorecer o presidente.

A disputa resultou em protestos e um toque de recolher noturno no país pobre e violento da América Central. Na terça-feira Nasralla disse que o tribunal eleitoral deveria revisar praticamente todas as cédulas.

"Se vocês não concordarem com isso, vamos a um segundo turno entre (Hernández) e Salvador Nasralla", disse ele no Twitter.

O ex-presidente Manuel Zelaya, que foi deposto por um golpe em 2009 e hoje apoia Nasralla, disse que a oposição quer uma recontagem total dos votos ou uma legislação que permita um segundo turno, que não é usado em Honduras.

Mais tarde na terça-feira, Hernández, elogiado pelos Estados Unidos por sua repressão a gangues de rua violentas, indicou que seu partido pode estar disposto a conferir a votação.

"Estamos abertos a uma verificação, que haja uma revisão de uma, duas, três, quantas houver", disse. "Eles falam de cerca de 5 mil (zonas eleitorais), de mais, de menos; não há problema, mas tem que ser de acordo com os procedimentos estabelecidos pela lei hondurenha."

Hernández não declarou vitória em comentários televisionados nos últimos dias, mas disse na terça-feira que "em breve haverá tempo para comemorar", e elogiou seu Partido Nacional de centro-direita por se conter durante o tumulto que se seguiu à eleição.

"Isso não significa que não é um partido vigoroso, e quando eles o virem na rua, verão algo extraordinário que não ainda não viram", acrescentou, sem entrar em detalhes.

As autoridades demoraram uma semana para contar os votos na nação de 9 milhões de habitantes, mas a Organização dos Estados Americanos (OEA) disse que os resultados foram marcados por irregularidades e erros.

O tribunal não declarou um vencedor oficial, mas a apuração deu uma vantagem de 1,60 ponto percentual a Hernández.

Acompanhe tudo sobre:EleiçõesHondurasPolítica

Mais de Mundo

Governo Trabalhista do Reino Unido apresenta novo pacote de leis

Campanha republicana defende posse de armas após tentativa de assassinato de Trump

Primeira pesquisa após atentado mostra Biden e Trump tecnicamente empatados

Rússia e Ucrânia trocam 190 prisioneiros de guerra em acordo mediado pelos Emirados Árabes

Mais na Exame