ONU pede ao Facebook “proatividade” contra discurso de ódio

O pedido foi feito após a decisão do Facebook de bloquear páginas de membros da junta birmanesa, após grande pressão para que o site tomasse medidas

O alto comissariado da ONU para os Direitos Humanos pediu ao Facebook para ser mais “proativo” contra o discurso de ódio, e expressou preocupação com declarações do presidente Donald Trump, que acusou Google, Facebook e Twitter de falta de imparcialidade.

O pedido foi feito após a decisão do Facebook de bloquear páginas de membros da junta birmanesa, depois de meses de pressão para tomar medidas contra o exército de Mianmar, acusado pela ONU de “limpeza étnica” contra os muçulmanos rohingyas.

“Nas primeiras reuniões que tivemos com Facebook, não pensava que levariam a sério. Felizmente agora parece que despertaram”, declarou o comissário Ra’ad Zeid al-Hussein a repórteres em Genebra.

“Devem ser prudentes, se as pessoas acusadas ​​dos piores crimes forem julgadas, o Facebook poderia ser citado a comparecer perante um tribunal por cumplicidade”, acrescentou.

“Poderia haver outras situações onde o Facebook é dominante em um país em que há uma deterioração da situação dos Direitos Humanos e onde o seu papel poderia ser questionado”, indicou ainda.

O comissário jordaniano, cujo mandato termina no final de agosto e será substituído pela ex-presidente do Chile Michelle Bachelet, pediu ao Facebook que “não espere uma crise” para agir e “reflita de forma pró-ativa sobre as medidas a tomar […] enquanto mantém espaço para a liberdade de expressão”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.