ONU exige libertação de crianças palestinas detidas por Israel

Organização chamou a atenção para o risco dos menores contraírem o coronavírus nos centros prisionais, onde é mais difícil cumprir medidas preventivas

A Organização das Nações Unidas (ONU) denunciou hoje (11) "a detenção continuada de crianças palestinas" por Israel e exigiu que os seus direitos sejam protegidos através da libertação imediata para não serem contagiadas pela covid-19.

"A melhor maneira de defender os direitos das crianças detidas no meio de uma pandemia perigosa é libertá-las", afirmaram, em comunicado conjunto, o coordenador humanitário da ONU para os territórios palestinos ocupados, Jamie McGoldrick, o chefe da Unidade de Direitos Humanos da ONU na região, James Heenan, e a representante especial do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) para a Palestina, Geneviève Boutin.

Segundo a ONU, no fim de março foram colocados 194 menores palestinos em prisões e centros de detenção israelitas, um número "ainda maior do que o total médio mensal de crianças detidas em 2019". As Nações Unidas garantiram ainda que a maioria das crianças foi detida sem acusação por qualquer crime.

A ONU chamou a atenção para o risco de estes menores detidos "contraírem o coronavírus", já que nos centros prisionais é mais difícil manter distância física e cumprir outras medidas preventivas.

Além disso, "os procedimentos legais estão suspensos" pelo que quase todas as visitas às prisões foram canceladas e "as crianças não têm acesso às suas famílias e advogados", adianta o mesmo comunicado.

Esta situação causa "sofrimento psicológico", não permite  "o apoio jurídico a que têm direito" e causa "maior pressão", podendo levar as crianças a se declarar culpadas para serem libertadas" mais rapidamente.

Segurança

"Os direitos das crianças à proteção, segurança e bem-estar devem ser sempre respeitados", sobretudo em momentos como este, afirma a ONU.

Tanto Israel como os territórios palestinos superaram a pior fase da pandemia, que afetou a região.

Desde que foi detectada na China, em dezembro passado, a pandemia já provocou mais de 280 mil mortos e infectou mais de quatro milhões de pessoas em 195 países e territórios.  Os Estados Unidos são o país com mais mortos (79.522).

Seguem-se o Reino Unido (31.855 mortos, mais de 219 mil casos), Itália (30.560 mortos, mais de 219 mil casos), Espanha (26.621 mortos, mais de 224 mil casos) e França (26.380 mortos, mais de 176 mil casos).

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.