Mundo

ONU condena generalização da tortura nas prisões sírias

Relatório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos diz que grupos armados possuem centros de deteção onde homens, mulheres e crianças são torturados


	Refugiados sírios: "Nossos resultados confirmam que a tortura é frequente nos centros de detenção governamentais na Síria e alguns grupos armados também recorrem a ela", afirma Navi Pillay

	
	
 (Hassan Abdallah/Reuters)

Refugiados sírios: "Nossos resultados confirmam que a tortura é frequente nos centros de detenção governamentais na Síria e alguns grupos armados também recorrem a ela", afirma Navi Pillay (Hassan Abdallah/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de abril de 2014 às 15h23.

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, condenou nesta segunda-feira a generalização da tortura nas prisões sírias, e lamentou sua aplicação também por grupos armados.

Em um documento de 8 páginas, o Alto Comissariado, que entrevistou 38 pessoas que sofreram torturas, informa sobre terríveis testemunhos anônimos.

O relatório da ONU descreve uma "generalização da tortura e dos maus tratos nos centros do governo".

Acrescenta que vários grupos armados, "em particular o Estado Islâmico do Iraque e Levante (EIIL), a Frente al-Nusra, Ahrar al-Sham, Asifat al-Shamal e Liwa al-Tawhid, dispõem de centros de detenção" nos quais homens, mulheres e crianças são torturados, principalmente desde 2013.

"Nossos resultados confirmam que a tortura é frequente nos centros de detenção governamentais na Síria e alguns grupos armados também recorrem a ela", afirma Pillay.

Segundo o relatório, "homens, mulheres e crianças são frequentemente sequestrados nas ruas, em suas casas ou no local onde trabalham, ou são detidos em postos de controles do governo e levados a dezenas de centros de detenção oficiais ou secretos do governo".

Estas pessoas são frequentemente detidas em segredo, de forma indefinida e às vezes levadas de um centro a outro, condena a ONU, que detalha que entre estes centros de detenção encontram-se casernas do exército e aeroportos.

Vários dos casos descritos no documento informam sobre prisioneiros imobilizados ou presos à parede, com os olhos vendados, espancados, queimados, eletrocutados e torturados com diferentes objetos.


O Alto Comissariado também documenta sobre casos de violência sexual contra homens e mulheres.

Na maioria dos casos, os guardas recorrem à tortura "imediatamente após a detenção e durante os primeiros dias ou semanas de detenção e de interrogatórios".

"Quando chegam ao centro de detenção, os detidos normalmente são espancados e humilhados durante várias horas pelos guardas, o que já é conhecido como 'recepção de acolhida'", denuncia o organismo.

As pessoas torturadas são de todas as origens religiosas e étnicas, de acordo com a ONU, para quem a tortura constitui um crime contra a humanidade quando é utilizada de forma generalizada.

Acompanhe tudo sobre:Direitos HumanosONUSíria

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame