Mundo

ONU alerta que desemprego global crescerá em 2024

É previsto que mais 2 milhões de trabalhadores busquem por ocupação em 2024, o que elevará o índice global para 5,2%

O crescimento global em 2023 foi, entretanto, ligeiramente superior ao previsto (Maskot/Getty Images)

O crescimento global em 2023 foi, entretanto, ligeiramente superior ao previsto (Maskot/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 10 de janeiro de 2024 às 14h39.

Última atualização em 10 de janeiro de 2024 às 15h05.

A taxa de desemprego global aumentará ligeiramente em 2024, devido à estagnação da produtividade, ao agravamento das desigualdades e à inflação, indicou nesta quarta-feira, 10, a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

É previsto que mais 2 milhões de trabalhadores busquem por ocupação em 2024, o que elevará a taxa de desemprego global para 5,2%, ante 5,1% em 2023. Em 2022, o índice de desocupação atingiu 5,3%.

Segundo a OIT, a recuperação econômica após a pandemia de covid-19 desacelerou, e, junto a isso, as tensões geopolíticas e a inflação persistente também influenciaram.

Diminuições

Em contraste, houve diminuições em outros países do G20, com quedas mais acentuadas no Brasil (6,9%), na Itália (5%) e na Indonésia (3,5%).

O crescimento global em 2023 foi, entretanto, ligeiramente superior ao previsto, e os mercados de trabalho resistiram, de acordo com a OIT.

"É pouco provável que a erosão do nível de vida resultante da inflação seja compensada rapidamente", afirmou a OIT em seu relatório "Perspectivas Sociais e do Emprego no Mundo: Tendências 2023".

O aumento das desigualdades e a estagnação da produtividade são motivos de preocupação, comenta a organização da ONU.

Embora haja alguns dados "encorajadores", de acordo com o diretor da OIT, Gilbert Houngbo, "os desequilíbrios no mercado de trabalho estão aumentando".

Segundo o relatório, apenas China, Rússia e México "experimentaram um crescimento positivo nos salários reais em 2023".

Acompanhe tudo sobre:economia-internacionalDesempregoONU

Mais de Mundo

Ataque a Trump: "Ainda é cedo para dizer se atirador agiu sozinho", dizem autoridades

Trump se pronuncia após ser atingido na cabeça em comício na Pensilvânia

Biden se pronuncia sobre tiroteio no comício de Trump: "Estou grato em saber que ele está bem"

'Atentado contra Trump deve ser repudiado', diz Lula sobre tiros durante comício

Mais na Exame