ONU alerta para crimes de guerra contra patrimônio no Iraque

A atual onda de violência no Iraque ameaça o patrimônio cultural do país, cuja destruição é um crime de guerra, disse a diretora da Unesco

Paris - A atual onda de violência no <strong><a href="http://www.exame.com.br/topicos/iraque">Iraque</a></strong> ameaça o patrimônio cultural daquele país, cuja destruição é um "crime de <strong><a href="http://www.exame.com.br/topicos/guerras">guerra</a></strong>", declarou nesta terça-feira a diretora da Unesco, Irina Bokova.</p>

“Peço a todos que evitem qualquer forma de destruição do patrimônio cultural, em particular os locais religiosos”, indicou Bokova em um comunicado, referindo-se à ofensiva lançada na semana passada pelos jihadistas sunitas no Iraque.

“Sua destruição intencional é um crime de guerra e um duro golpe contra a identidade e a história do povo iraquiano”, acrescentou o diretor, que disse que “os autores devem ater-se a suas ações.”

A chefe da Unesco, com sede em Paris, “exorta todos os iraquianos a proteger o patrimônio cultural de seu país”, destacando seu papel como “testemunho único da humanidade, origem da nossa civilização e da convivência interétnica e interreligiosa”.

Os jihadistas sunitas do Estado Islâmico no Iraque e no Levante (EIIL), organização muito ativa na vizinha Síria, assumiu o controle da segunda maior cidade do Iraque, Mossul, e de grande parte do norte e do leste do país de maioria xiita.

O Iraque possui vários locais sagrados xiitas em Najaf e Kerbala, ao sul de Bagdá, e Samarra, ao norte da capital.

Esta crise, que ameaça os locais religiosos, aumentou as tensões entre as três principais comunidades do país: árabes xiitas, árabes sunitas e curdos.

O apelo de Bokova ocorre dois dias após o início em Doha da reunião anual do Comitê do Patrimônio Mundial da Unesco.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.