ONG registra 530 mortes em regiões com cessar-fogo na Síria

Entre os mortos, ao menos 148 eram civis que perderam a vida por tiros de franco-atiradores, mísseis da Frente al Nusra e seus aliados e bombardeios do regime

Beirute - Pelo menos 530 pessoas morreram nas regiões onde o cessar-fogo foi implantado na Síria desde o dia 27 de fevereiro, data em que começou a cessação das hostilidades, segundo a apuração divulgada nesta segunda-feira pelo Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Entre os mortos, ao menos 148 eram civis, dos quais 34 eram menores de idade e 33 mulheres, que perderam a vida por tiros de franco-atiradores, mísseis lançados pela Frente al Nusra (braço sírio da Al Qaeda) e seus aliados e bombardeios do regime.

No lado governamental, pelo menos 149 soldados das forças regulares e milicianos leais ao governo de Damasco perderam a vida neste período.

Nas fileiras opositoras foram registrados 202 mortos, entre os quais há combatentes de diferentes facções rebeldes e islâmicas, assim como da Frente al Nusra e guerrilheiros de nacionalidades estrangeiras.

A este saldo se somam 31 membros das "asayish" (forças de segurança curdo-sírias), das Unidades de Proteção do Povo (principal milícia curda no território sírio) e das Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança armada curdo-árabe.

Todas estas pessoas morreram nas regiões onde vigora a cessação das hostilidades, aquelas em que não há presença do grupo terrorista Estado Islâmico (EI).

Tanto o EI como a Frente al Nusra estão excluídos do cessar-fogo, embora o braço da Al Qaeda costume colaborar com outros grupos insurgentes que aceitaram a trégua.

O Observatório destacou que pelo menos 1.279 pessoas morreram nas partes da Síria onde não foi aplicado o cessar-fogo, ou seja, as que estão dominadas pelo EI.

Dessas vítimas, pelo menos 232 eram civis, das quais 43 perderam a vida por ferimentos sofridos antes do início da trégua e outras dez morreram por disparos da Guarda Fronteiriça turca.

Além disso, 38 pessoas foram assassinadas pelo EI e outras facções, mas o Observatório não especifica se eram civis ou combatentes. Por outro lado, pelo menos 493 jihadistas do EI morreram desde o começo da trégua.

O período também contou com 307 baixas de soldados governamentais em regiões onde não há o cessar-fogo; 116 de rebeldes e 93 de combatentes das FSD. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.