OMS pede fim de vendas de animais vivos em mercados

A orientação, que visa garantir que o sistema alimentar global seja seguro e sustentável, segue uma missão liderada pela OMS em Wuhan

Agências internacionais, incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS), pediram aos países nesta terça-feira que suspendam a venda de mamíferos selvagens vivos no mercado de alimentos, alertando que eles podem ser fonte de mais de 70% das doenças infecciosas emergentes em humanos.

A orientação, que visa garantir que o sistema alimentar global seja seguro e sustentável, segue uma missão liderada pela OMS em Wuhan, na China, para investigar a origem do novo coronavírus, causador da covid-19.

"Essas e outras recomendações contribuirão para reduzir o risco de zoonoses emergentes", disse Peter Ben Embarek, autoridade da OMS que liderou a missão de janeiro a fevereiro, em um tuíte.

A OMS, a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) pediram às autoridades nacionais que "suspendam o comércio de animais mamíferos selvagens capturados vivos para fins de alimentação ou reprodução e fechem as seções dos mercados de alimentos que vendem mamíferos selvagens capturados vivos, como medida de emergência, a menos que regulamentos eficazes demonstráveis e avaliação de risco adequada estejam em vigor".

Eles disseram que os animais, principalmente os selvagens, são a fonte de mais de 70% de todas as doenças infecciosas emergentes em humanos.

A China proibiu no ano passado o comércio de animais selvagens para consumo humano, mas brechas na lei permitem que algumas espécies propensas a doenças sejam cultivadas, de acordo com especialistas regionais.

"Esta não é uma recomendação nova, mas a Covid-19 chamou atenção para essa ameaça, dada a magnitude de suas consequências", disse a porta-voz da OMS Fadela Chaib em coletiva de imprensa.

A equipe liderada pela OMS, que visitou o mercado de Huanan em Wuhan, onde as primeiras infecções por Covid-19 em humanos foram detectadas, disse que o novo vírus provavelmente foi transmitido de morcegos para humanos por meio de outro animal.

"Quando os animais selvagens são mantidos em gaiolas ou currais, abatidos e vestidos em áreas de mercado aberto, essas áreas ficam contaminadas com fluidos corporais, fezes e outros resíduos, aumentando o risco de transmissão de patógenos para trabalhadores e clientes e potencialmente resultando na disseminação de patógenos para outros animais do mercado", afirma a orientação das entidades.

A maioria das doenças infecciosas emergentes, como a febre de Lassa, a febre hemorrágica de Marburg e a doença viral Nipah, têm origens na vida selvagem, informou o relatório.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.