OMS nega ter ocultado informações sobre coronavírus após pressão da China

Segungo a revista alemã Der Spiegel, Xi Jinping teria pedido ao chefe da OMS que a agência segurasse informações da pandemia em telefonema em janeiro

A Organização Mundial da Saúde (OMS) qualificou como "alegações falsas" uma reportagem da mídia alemã que diz que teria ocultado informações sobre o novo coronavírus após pressão da China. A OMS disse, em comunicado, que os relatos da revista alemã Der Spiegel sobre uma conversa telefônica entre o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, e o presidente da China, Xi Jinping, em 21 de janeiro são "infundados e falsos".

Segundo a Der Spiegel, Xi teria pedido a Tedros durante a ligação para segurar informações sobre a transmissão entre seres humanos do vírus e atrasar a declaração de pandemia. A revista citou a agência de inteligência alemã BND, que se recusou a comentar o assunto neste domingo. A Der Spiegel também afirmou que o BND concluiu que até seis semanas para combater o surto haviam sido perdidas devido à política de informação da China.

A agência da ONU disse que Tedros e Xi "nunca falaram por telefone" e acrescentou que "essas reportagens imprecisas distraem e prejudicam os esforços da OMS e do mundo para acabar com a pandemia de covid-19". A OMS informou que a China confirmou a transmissão entre seres humanos do novo coronavírus em 20 de janeiro.

Autoridades da OMS divulgaram um comunicado dois dias depois dizendo haver evidências de transmissão entre seres humanos em Wuhan, mas que eram necessárias mais investigações. A organização declarou a covid-19 uma pandemia em 11 de fevereiro.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está entre os críticos mais fortes da OMS no tratamento da pandemia, acusando-a de deferência à China e cessando pagamentos à agência. Fonte: Associated Press.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.