OMS investigará suposta reativação do coronavírus em pacientes curados

Entidade está analisando casos da Coreia do Sul nos quais pessoas próximas de receber alta voltaram a testar positivo para coronavírus
Pessoas na Coreia do Sul: autoridades do país acreditam que vírus pode ter se "reativado" em pacientes próximos de receber alta (Seong Joon Cho/Getty Images)
Pessoas na Coreia do Sul: autoridades do país acreditam que vírus pode ter se "reativado" em pacientes próximos de receber alta (Seong Joon Cho/Getty Images)
D
Da Redação

Publicado em 11/04/2020 às 18:07.

Última atualização em 11/04/2020 às 18:08.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) irá investigar os casos de pessoas curadas da covid-19, doença transmitida pelo novo coronavírus, e que voltaram a testar positivo. A informação é da agência Reuters.

A entidade informou ter sido notificada pela Coreia do Sul, que alegou que 91 pessoas consideradas curadas e que estavam quase recebendo alta, adoeceram novamente. No entanto, as autoridades asiáticas disseram que o vírus parecia ter sido “reativado” nos pacientes, não que eles tenham sido infectados novamente.

Em nota à Reuters, a OMS disse que está ciente dos relatos sul-coreanos. “Estamos trabalhando com nossos especialistas para ter mais informações sobre esses casos individuais. É importante ter a certeza de que, uma vez as amostras tenham sido coletadas para testes em pacientes suspeitos, os procedimentos tenham sido seguidos adequadamente”.

Os protocolos da entidade dizem que um paciente considerado recuperado pode receber alta dos hospital em caso do novo coronavírus após dois testes negativos consecutivos, feitos em um período de 24 horas cada. “Sabemos que alguns pacientes testam positivo após a recuperação clínica, mas precisamos de uma coleta sistemática das pessoas curadas para melhor entender por quanto tempo eles hospedam o vírus vivo”, explicou a OMS.

Neste sábado, 11, o mundo registrava 1,7 milhão de casos confirmados da covid-19 e 107.775 mortes da doença. Os Estados Unidos se tornaram o país com o maior número de casos e de mortos, 519.453 e 20.071, respectivamente, e é agora considerado o epicentro do novo coronavírus no planeta. Na outra ponta, há quase 397 mil pessoas que se recuperaram da infecção.