Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Ômicron coloca hospitalizações nos EUA a caminho de novo recorde

A média móvel de sete dias de novos casos diários bateu recorde pelo décimo dia consecutivo, com 597 mil infecções

As hospitalizações por covid-19 nos Estados Unidos devem bater um novo recorde nos próximos dias, de acordo com uma contagem da Reuters nesta sexta-feira, ultrapassando uma marca anterior estabelecida em janeiro do ano passado, à medida que a variante altamente contagiosa ômicron causa um novo surto de casos.

  • Juros, dólar, inflação, BC, Selic. Entenda todos os termos da economia e como eles afetam seu bolso. Assine a EXAME 

As hospitalizações aumentaram de maneira frequente desde o final de dezembro, enquanto a ômicron ultrapassou rapidamente a delta como a cepa dominante do coronavírus nos Estados Unidos, embora especialistas digam que a ômicron se mostrará provavelmente menos letal do que variantes anteriores.

Embora considerada menos grave, as autoridades de saúde ainda assim alertam que o número absoluto de infecções causadas pela ômicron pode pressionar os sistemas hospitalares, alguns dos quais já começaram a mostrar sinais de perturbação, em parte por conta da ausência de profissionais afastados.

"Eu não acredito que tenhamos visto o pico aqui nos Estados Unidos", disse a diretora do Centro de Controle e Prevenção de Doenças, Rochelle Walensky, ao programa Today, da NBC News, nesta sexta-feira, enquanto escolas e empresas também passam dificuldades com as altas de casos.

Os Estados Unidos registraram 662 mil novos casos de covid-19 na quinta-feira, a quarta maior marca diária dos EUA já registrada, apenas três dias depois de um recorde de quase 1 milhão de casos reportados, de acordo com uma contagem da Reuters.

A média móvel de sete sete dias de novos casos diários bateu recorde pelo décimo dia consecutivo, com 597 mil infecções, enquanto as hospitalizações bateram quase 123 mil e devem superar nos próximos dias o recorde de mais de 132 mil estabelecido no ano passado.

As mortes, um indicador que está bem atrás das hospitalizações, continuam razoavelmente estáveis a 1,4 mil por dia, de acordo com a contagem, bem abaixo dos recordes do ano passado, embora tipicamente haja uma defasagem em relação aos números de casos e hospitalizações.

"Ainda estamos vendo esses números crescerem", disse Walensky, apontando que embora o número de casos supere o de hospitalizações e mortes, o aumento das hospitalizações é registrado principalmente entre pessoas não vacinadas.

Delaware, Illinois, Maryland, Pensilvânia, Ohio, Vermont e Washington, D.C., todos reportaram níveis recordes de pacientes hospitalizados pela covid nos últimos dias, de acordo com análise da Reuters.

Os dados sobre internações, no entanto, não distingue entre casos de pessoas hospitalizadas por conta da covid-19 e os chamados positivos incidentais: pacientes que foram internados e tratados para outras questões e contraíram a covid-19 no hospital.

As altas de casos forçaram os sistemas hospitalares de quase metade dos estados americanos a adiar a realização de cirurgias eletivas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também