Obama anuncia plano para reforçar presença militar na Europa

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou plano para aumentar a presença militar americana no leste da Europa

Varsóvia - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta terça-feira em Varsóvia um plano para aumentar a presença militar americana no leste da Europa, declaração que chega em um contexto marcado pela crise da Ucrânia, as tensões com a Rússia e o temor de países como a Polônia de um expansionismo russo na região.

Em entrevista coletiva na capital polonesa, Obama explicou que solicitou ao Congresso de seu país que autorize um desembolso de US$ 1 bilhão, que servirá para financiar a chamada "Iniciativa para o reforço da Europa".

O plano prevê o reforço da presença militar em territórios aliados como Polônia e as repúblicas bálticas (Lituânia, Letônia e Estônia), mas também exercícios militares com os exércitos de ex-repúblicas soviéticas como Moldávia, Geórgia e a própria Ucrânia, países que há anos buscam estreitar laços com a Otan e a União Europeia (UE).

De fato, um dos principais objetivos da iniciativa é impulsionar a capacidade militar dos países não membros da Otan que ficam na fronteira com a Rússia.

Segundo a Casa Branca explicou em um comunicado, o plano não será financiado "às custas de outras prioridades de defesa, como o compromisso americano com o reequilíbrio da região Ásia-Pacífico".

Em abril, os Estados Unidos já enviaram 150 militares para a Polônia para exercícios militares, embora o governo local tenha solicitado uma presença maior da Otan diante do temor histórico do "expansionismo" russo.

Obama ressaltou que a presença atualmente de 600 soldados dos Estados Unidos na Polônia e nos estados bálticos "possibilita" uma maior participação dos Estados Unidos na região.

Segundo o presidente, esta presença procura principalmente melhorar as instalações técnicas para poder responder a possíveis ameaças à Aliança nesta região da Europa.

O presidente dos Estados Unidos também pediu a cada um dos aliados da Otan gestos que reforcem suas políticas de defesa, e destacou a liderança da Polônia, um dos países que mais apoiou a mudança de governo na Ucrânia, e elogiou seu "grande investimento em segurança".

O presidente da Polônia, Bronislaw Komorowski, anunciou que aumentará a despesa militar de seu país até alcançar 2% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, o que representará a compra de novos armamentos e a modernização das Forças Armadas.

Komorowski lembrou que "não há países de segunda categoria na Otan", onde a Rússia teria que dar seu sinal verde para o estabelecimento de tropas americanas, em referência aos protestos de Moscou diante do fortalecimento da Aliança na região ex-comunista.

"O aumento da presença das forças armadas dos Estados Unidos na Europa do Leste é necessário para dissuadir políticas de pressão e agressões dos vizinhos poloneses do Leste", disse Komorowski, em clara referência aos eventos acontecidos na Ucrânia nas últimas semanas. 

*Atualizada às 10h38 do dia 03/06/2014

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.