Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

O trumpismo veio para ficar, não obstante quem esteja na Casa Branca

O destino do presidente Trump ainda permanece incerto. Mas o das ideias que ele representa, por outro lado, está claro: elas não vão embora

À medida que a contagem dos votos se arrasta, o destino do presidente Trump ainda permanece incerto. O destino do trumpismo, por outro lado, está claro: ele não vai embora. E o próprio Trump pode permanecer no centro das atenções políticas mesmo se perder.

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor

Enquanto a batalha do Colégio Eleitoral se estende para a prorrogação, os resultados já destacam as maneiras pelas quais os quatro anos de Trump no cargo imprimiram sua marca no mapa político americano. Mesmo que ele consiga passar com o apoio suficiente para garantir outro mandato, ele mudou a política dos EUA de uma forma que é perigosa para o Partido Republicano – e será difícil de desfazer.

O que quer que o Partido Republicano tenha representado, os eleitores de hoje o associam a uma coisa: Donald Trump. Os democratas foram às urnas acreditando que isso seria um desastre total para o destino dos republicanos. Não foi. Em vez de uma “onda azul”, o resultado foi uma turbulenta corrente cruzada que impulsionou os ganhos do Partido Republicano na Câmara dos Representantes e limitou os avanços dos democratas no Senado, ao mesmo tempo que transferia estados-chave no mapa eleitoral para Joe Biden.

O sinal mais claro de porque isso é um problema para os republicanos está nas disputas que agora foram travadas. Os resultados das eleições confirmaram o movimento de eleitores das cidades para longe do Partido Republicano, embora tenham recuado em alguns lugares a partir de 2018. Independentemente do resultado, o realinhamento dos subúrbios do vermelho para o azul ganhou surpreendente velocidade durante o tumultuado mandato de Trump.

Em 2016, mesmo perdendo para Trump, Hillary Clinton superou o desempenho de Barack Obama nos estados com subúrbios densamente populados do Arizona e Texas. Em 2018, os eleitores tiraram representantes republicanos em áreas suburbanas em torno de Dallas-Fort Worth, Denver, no distrito de Columbia (Norte da Virgínia), em Minneapolis, em Nova York (norte de Nova Jersey) e na Filadélfia, entregando aos democratas o controle da Câmara dos Representantes.

O desgaste do apoio republicano, especialmente entre os profissionais brancos com formação universitária, parecia ser um mau presságio para Trump – mas ninguém sabia ao certo. “Em 2018, não era realmente evidente o quanto Trump era impopular naqueles subúrbios porque não havia nenhuma corrida presidencial sendo disputada nas urnas”, disse David Wasserman do boletim informativo e apartidário, Cook Political Report. Em 3 de novembro essa corrida aconteceu e o veredicto não foi bom.

A revolta suburbana contra Trump e o Partido Republicano se manteve na maioria das áreas que os democratas conquistaram há dois anos. Mas isso não se estendeu às áreas metropolitanas menores e avermelhadas, como Cincinnati, Indianápolis e St. Louis, que esperavam adicionar a este ciclo, ou alcançar os distritos de House no Texas que esperavam ganhar.

E a onda azul de 2018 diminuiu, custando aos democratas cadeiras em distritos de subúrbios como o 5º de Oklahoma e o 1º da Carolina do Sul, onde os republicanos recuperaram o controle. Após a eleição de 2018, um refrão popular entre os estrategistas republicanos foi que os eleitores suburbanos podem não amar Trump, mas estavam felizes em votar em seu representante republicano local. Pelo menos nos estados vermelhos, isso ainda parece ser verdade.

No entanto, ao longo de quatro anos, Trump levou o Partido Republicano quase à extinção nos grandes subúrbios dos EUA porque a maioria dos eleitores o considera repelente. Essa tendência é mais pronunciada nas áreas do país que estão crescendo mais rapidamente – lugares como o condado de Maricopa, no Arizona, que abrange os subúrbios de Phoenix.

Em 2012, Mitt Romney venceu Barack Obama por 147.000 votos. Em 2016, Trump superou Clinton em 41.000. Este ano, assim que todas as cédulas sejam contadas, a margem de Biden pode se aproximar de 150.000 votos, cimentando o Arizona, um alicerce da coalizão eleitoral republicana por décadas, como um novo estado de batalha.

Os republicanos não podem construir uma coalizão governamental sólida sem primeiro descobrir como consertar seu problema com os subúrbios. “É mais simples falar do que fazer”, diz Kirk Adams, o ex-presidente republicano da Câmara dos Representantes do Arizona, que representou um distrito suburbano de Phoenix.

“As pessoas nos subúrbios querem que o governo funcione. Querem que ele seja eficaz e resolva problemas. Eles não querem ser associados a nada que tenha um mínimo toque de racismo. Para o GOP reconquistá-los, será necessário que os candidatos falem sobre questões com as quais eles se importam e façam isso de uma forma civilizada e inteligente.

Mas, nos últimos quatro anos, todo o dinamismo foi para o outro lado. Os políticos republicanos em todos os níveis aprenderam que o caminho para o sucesso na era Trump é elogiar e imitar o presidente. E os resultados melhores do que os esperados de 3 de novembro provavelmente não levarão a um movimento de reforma.

Romper com ele agora – mesmo que ele perca – pode ser impossível. Atualmente, muitos eleitores republicanos demonstram mais entusiasmo com a QAnon, teoria da conspiração pró-Trump e antidemocrata, do que com o retorno à sóbria competência de um Mitt Romney.

O índice de aprovação de Trump com os eleitores do Partido Republicano gira em torno de 90%, e os moderados e os conservadores #NeverTrump que se opõem a ele abandonaram ou foram expulsos do partido.

Não há um candidato óbvio para direcionar o GOP de volta ao centro.

A história recente já inclui uma tentativa de reabilitação em larga escala que falhou. Após a derrota de Romney na corrida presidencial de 2012, o Comitê Nacional Republicano conduziu uma “autópsia” do que havia causado a derrota e como o partido poderia se recuperar.

Sua conclusão – que o GOP deveria assumir a reforma da imigração e apresentar uma imagem mais suave e acolhedora para atrair minorias, millennials e pessoas LGBTQ – foi totalmente ignorada. Em vez disso, Trump emergiu como a figura galvanizadora, levando o partido na direção oposta.

É um papel do qual parece improvável que ele abra mão, independentemente do resultado deste ano. Não vejo nenhum desejo por uma autópsia, nem pela velha nem pela nova”, disse Tim Miller, ex-estrategista de Jeb Bush.

“Acho que haverá uma minoria muito pequena de algumas pessoas em DC e um punhado delas no Congresso que querem ver como o partido pode renovar e ampliar seu apelo. Mas todos os incentivos no mundo de pequenos doadores, na Fox News e no Twitter ainda apontam para a fórmula de Trump de dobrar as queixas dos brancos, 'perturbar os liberais' e empurrar o absurdo populista anti-elite. Simplesmente não há desejo por reformas”.

Um partido que permanece escravo das obsessões peculiares de Trump (aversão a máscaras; o laptop de Hunter Biden; o suposto socialismo de Kamala Harris) provavelmente não terá uma vida fácil em persuadir os eleitores de volta. Se os republicanos podem corrigir a trajetória e apelar para as mulheres dos subúrbios e outros que se bandearam para os democratas, dependerá de como o partido vai entender a própria condição.

Mesmo uma derrota de Trump não garante que o GOP embarcará no processo de fazer os necessários ajustes. “Quando um partido perde, especialmente quando perde muito, a questão é o que se torna a interpretação dominante dentro do partido de porque eles perderam”, diz David Hopkins, professor de ciência política no Boston College.

“Quando os democratas perderam há quatro anos, a interpretação que dominou foi 'Não indique uma mulher'. Com Trump, acho que a questão se tornará: foi um desastre pessoal específico para o candidato? Ou a interpretação será que Trump foi um mártir da esquerda – destruído pela mídia, o estado profundo, as cédulas de votação falsificadas, a China e assim por diante – e a lição é lutar ainda com mais empenho e ir mais longe do que ele foi?”

O maior curinga no futuro do GOP é o próprio Trump e o caminho que ele escolherá em seguida. Se perder, pode ser privado dos holofotes que tem comandado com consistência punitiva desde que se tornou candidato há cinco anos. Para alguém que anseia por atenção e relevância como Trump, isso deve ser um pensamento doloroso.

Mas há uma maneira simples de evitar o esquecimento: ele poderia dar meia-volta e imediatamente entrar com o pedido de candidatura à presidência novamente, em 2024. (Em 2017, ele entrou com o pedido de reeleição no dia da posse.) Isso lhe garantiria um plataforma, já que ele tem apoio suficiente para buscar a nomeação com credibilidade e representaria um assustador obstáculo para qualquer outro candidato republicano.

“Definir a base de Trump é complicado, mas há um claro grupo de cabeças-duras”, diz John Sides, um cientista político da Universidade Vanderbilt que ajuda a supervisionar a pesquisa Nationscape do Fundo para a Democracia da UCLA. “Temos entrevistado as mesmas pessoas ao longo do tempo, e aqueles que têm uma visão consistente de Trump representam talvez 20% dos entrevistados.” Isso é apoio muito maior do que qualquer outro republicano tem.

Declarar sua candidatura também pode ter apelo sobre Trump por razões que nada têm a ver com querer voltar para a Casa Branca. Em particular, expressou ansiedade aos aliados sobre o escrutínio dos promotores públicos em Nova York e possíveis investigações federais em seu império de negócios que podem surgir quando ele deixar o cargo.

Um advogado democrata observa que, se Trump perdesse e se declarasse candidato para 2024, ele poderia alegar que qualquer investigação foi politicamente motivada e destinada a impedir seu retorno à presidência.

Alguns aliados de Trump não imaginam nenhum cenário em que ele deixe o palco voluntariamente, independentemente do resultado da eleição – possibilidade que complicaria muito os esforços do partido para ir além dele e renovar seu apelo para as amplas faixas do eleitorado que foram para os democratas.

“Apenas duas coisas podem acontecer – “ou Trump vence ou é roubado”, disse Steve Bannon, estrategista-chefe de Trump na eleição de 2016. “[Supostos candidatos presidenciais republicanos] Josh Hawley, Tom Cotton, Nikki Haley e Mike Pompeo podem não perceber, mas eles já estão concorrendo a vice-presidente na chapa de Trump em 2024.”

Sem bola de cristal, ninguém pode saber se Trump voltará à Casa Branca no próximo ano ou no futuro, ou mesmo se tentará. Bannon adicionou incentivos para divulgar a força de Trump e menosprezar seus rivais, já que ele mesmo foi indiciado por fraude em agosto e se beneficiaria com o perdão de Trump. Mas uma previsão dele parece uma aposta segura e certa para causar enxaquecas nos líderes republicanos ansiosos por deixar Trump de lado: “Ele não desiste”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também